"As marcas precisam saber a sua essência para se comunicar bem"

Para o publicitário Celso Loducca, que participou do FE4 Fórum Empreendedor, promovido pela Associação Comercial de São Paulo, as empresas, para ser bem-sucedidas, devem antes descobrir o propósito de sua existência

Italo Rufino
21/Out/2016
  • btn-whatsapp
"As marcas precisam saber a sua essência para se comunicar bem"

O filme Eu Maior, que aborda o autoconhecimento e busca pela felicidade, fez um relativo sucesso entre curiosos e entusiastas sobre os segredos da existência humana. 

Disponibilizado gratuitamente na internet, o documentário atingiu mais de dois milhões de visualizações no YouTube, ao apresentar depoimentos de filósofos, educadores, artistas e religiosos sobre uma questão praticamente inata ao ser humano: por que existimos? 

A indagação ancestral que inquieta a humanidade precisa igualmente estar presente no mundo dos negócios. Afinal, além de gerar lucro, qual o propósito de existência de uma empresa?

O conceito filosófico aplicado ao mundo corporativo foi abordado pelo publicitário Celso Loducca, em palestra no módulo Marketing e Vendas do FE4 Fórum Empreendedor, promovido nesta quinta-feira (20/10) pela Associação Comercial (ACSP).

Loducca falou ao lado de Fellipe Russo, publicitário e fundador da Acelera Negócios, organização que dissemina conhecimentos de boas práticas destinados a pequenas empresas. A sessão teve como mediador o jornalista Nelson Blecher, superintendente editorial do Diário do Comércio.

LEIA TAMBÉM: “O bom publicitário deve saber captar as mudanças sociais”

Em gestão de marca, essa “sessão de terapia corporativa” se enquadra no conceito de posicionamento estratégico

O posicionamento é o que sustenta uma marca –e deve contemplar qual o público-alvo, o valor (e não apenas preço) dos produtos e serviços e os diferenciais competitivos de uma empresa. 

“Conhecendo e assumindo sua essência, a empresa consegue ser mais eficiente no relacionamento com as pessoas”, disse Loducca.  

NO EVENTO, UM DEBATE SOBRE BOAS PRÁTICAS DE MARKETING E VENDAS

E como deve ser conduzido o relacionamento entre empresas e consumidores? 

Quando o assunto é relação, a abordagem é sempre de pessoas para pessoas. A particularidade da comunicação realizada pelas empresas é conectar ideias e produtos para o público com integridade e transparência. 

Para ilustrar o conceito, Loducca recordou a campanha que criou para a Nextel em 2008. Na época, a empresa desejava atrair públicos além do corporativo. Loducca e sua equipe, então, tiveram a ideia de propagar a marca como uma rede social via rádio –e não apenas como uma empresa de telefonia. Era esta, a seu ver, a essência da companhia.

O conceito foi a base para as peças publicitárias, que mostravam anônimos e famosos, como o chef Alex Atala e a atriz Camila Morgado, em depoimentos que reforçavam o papel da Nextel no desenvolvimento de comunidades das quais os consumidores faziam parte. 

Naquele ano, a Nextel obteve crescimento de 46%, com faturamento de 1,3 bilhão de dólares, e alcançou 1,83 milhão de clientes no Brasil.

SAIBA MAIS: "O segredo para sair da crise está dentro da empresa"

A MENSAGEM DEVE ATRAIR, NÃO INTERROMPER 

Loducca expôs o que chamou de fatores subjetivos do marketing. Já Fellipe Russo, o segundo a palestrante, abordou conceitos práticos para conquistar o consumidor no ambiente digital – o que conferiu complementariedade ao conteúdo do evento. 

Já não é novidade que o consumidor é multicanal. A diferença é que os variados meios e plataformas têm moldado a relação dos consumidores com as mídias. 

Entre 2005 e 2015, a penetração de revistas entre os consumidores caiu 20 pontos percentuais. Ao mesmo tempo, a penetração digital aumentou 34 pontos. 

A mudança na forma de acesso criou, segundo Russo, uma nova jornada de contato com a mídia. Logo ao acordar, o primeiro acesso é pelo smartphone. Desktops são mais usados durante o expediente de trabalho. Na volta para casa, há, novamente, predominância de dispositivos móveis.

Durante a noite, a televisão se torna a primeira tela, mas há também o acesso simultâneo por meio de celulares e tablets. 

Com a abundância de informações nas redes, seria ingenuidade acreditar que o consumidor será fisgado pelo antigo formato de anúncios invasivos – aqueles do tipo “compre aqui e agora” que pipocam na tela quando a pessoa menos espera. 

“Não dá mais para as marcas usarem propagandas que interrompem a navegação dos usuários”, afirma Russo. “É preciso atraí-los por meio de conteúdo relevante que desperte a atenção.”

Uma estratégia mais sutil de comunicação com foco em vendas é o Inbound Marketing, que consiste em a empresa produzir conteúdo relevante em seus canais (redes sociais, blogs, sites, apps), coletar dados dos potenciais clientes e nutri-los de informação para criar relacionamento – o que causaria vendas quase que espontaneamente. 

VEJA TAMBÉM: O novo papel da gestão é ser digital

Funciona assim: o conteúdo, como vídeos, artigos e fotos, serve para despertar o interesse do usuário e fazer com que empresa seja encontrada em sites de buscas.

Depois, para ter acesso a conteúdo exclusivo, como um livro virtual, o usuário precisa informar seu email. Esse contato, então, passa a receber mensagens automatizadas e personalizadas de acordo com a sua aderência à marca. 

O conteúdo deve fazer sentido como o negócio da empresa. Por exemplo, uma loja de móveis pode criar um ebook sobre dicas de decoração. Uma fabricante de cosméticos pode tratar de cuidados com a pele.

Conforme interage com a marca, os potenciais clientes são filtrados – e os que mais possuem chances de fechar negócio recebem mensagens relativas a vendas.

Não se deve enviar propostas comerciais no início do relacionamento, pois a ação afastaria o cliente. Numa comparação, esse erro seria tão grotesco como falar em casamento num primeiro encontro amoroso. 

RUSSO, DA ACELERA NEGÓCIOS: É PRECISO CATIVAR OS CLIENTES COM SERVIÇOS

Russo apontou como case a construtora mineira Precon Engenharia. Há dois anos, a empresa mantém um blog que trata de assuntos do cotidiano de quem está em busca de imóveis, como planejamento financeiro para a compra da casa própria. 

O blog tem mais de 15.000 acessos mensais. Somente no mês de abril deste ano, a empresa vendeu dez apartamentos para pessoas que acompanhavam o conteúdo do site. 

“As marcas precisam despertar a confiança das pessoas”, disse Russo. “Na disputa pelo consumidor, uma boa comunicação é um diferencial competitivo.”

FOTOS: Filipe Barros Cilento/ACSP

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas