Ano começa promissor para as exportações

Em janeiro, as vendas externas somaram US$ 14,9 bilhões, garantindo um resultado positivo de US$ 2,7 bilhões na balança comercial, o melhor da década para o mês

Estadão Conteúdo
01/Fev/2017
  • btn-whatsapp
Ano começa promissor para as exportações

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 2,725 bilhões em janeiro, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (01/02) pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). 

No primeiro mês de 2017, as exportações somaram US$ 14,911 bilhões, e as importações, US$ 12,187 bilhões.

Esse foi o melhor resultado para meses de janeiro desde 2006, quando o superávit comercial chegou a US$ 2,835 bilhões.

A média diária de exportações de janeiro foi de US$ 677,8 milhões, uma alta de 20,6% em comparação com a média de embarques por dia útil do mesmo mês do ano passado, de US$ 561,9 milhões.

Já nas importações, a média por dia no mês foi de US$ 553,9 milhões, crescimento de 7,3% em relação à média de compras de janeiro de 2016, que foi de US$ 516,1 milhões.

De acordo com o MDIC, a 4ª semana de janeiro (dias 20 a 26) teve superávit de US$ 1,046 bilhão. 

No período, as exportações somaram US$ 3,802 bilhões e as importações chegaram a US$ 2,756 bilhões. Na 5ª semana do mês (dias 27 e 28), o saldo foi positivo em US$ 282 milhões, com embarques de US$ 1,336 bilhão e compras de US$ 1,054 bilhão.

PRINCIPAIS EXPORTAÇÕES

As exportações cresceram em todos os três grandes grupos de produtos vendidos ao exterior na comparação com o mesmo mês do ano passado.

As vendas de produtos básicos totalizaram US$ 6,787 bilhões, com expansão de 30% ante janeiro de 2016. Nessa comparação, cresceram as vendas de soja em grão (124,7%), minério de ferro (124,5%), petróleo em bruto (97,7%), carne suína (60,2%), carne de frango (23,4%), farelo de soja (15,7%), café em grão (7,8%) e carne bovina (5,1%).

Já os embarques de semimanufaturados cresceram 27,5% em janeiro, para US$ 2,597 bilhões, com destaque para as altas em açúcar em bruto (112,7%), semimanufaturados de ferro e aço (74,4%), madeira serrada (32,8%), ferro-ligas (26%), óleo de soja em bruto (15,8%) e celulose (10,2%).

As vendas de bens manufaturados cresceram 7,4%, chegando a US$ 5,123 bilhões. 

A expansão ocorreu principalmente em óleos combustíveis (271,2%), suco de laranja não congelado (251,2%), veículos de carga (114%), açúcar refinado (66,9%), máquinas para terraplanagem (37%), automóveis de passageiros (34,5%), laminados planos (31,2%), medicamentos (21,7%), pneumáticos (17,5%), bombas e compressores (11,1%), autopeças (7,6%), calçados (6,8%) e motores para veículos e partes (2,8%).

RENTABILIDADE EM QUEDA

No ano de 2016 a rentabilidade das exportações recuou 8,2%, segundo índice calculado pela Funcex, instituição que faz estudos sobre comércio exterior.

Apesar da desvalorização do real, que favorece os exportadores, a lucratividade dos embarques foi afetada pelo aumento de 7,5% do custo de produção das empresas, combinado à queda de 6,2% nos preços dos produtos exportados.

Além da desvalorização das commodities, o fraco ritmo de crescimento do comércio internacional pressionou os preços de produtos manufaturados e a indústria aproveitou períodos em que o câmbio esteve mais favorável para ganhar competitividade em mercados externos.

Segundo a Funcex, a indústria de transformação aumentou em 1,2% o valor vendido ao exterior, mas a uma rentabilidade 7,4% menor.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas