Afinal, o Brasil está pronto para se tornar um país desenvolvido?

O país ganhou o apoio do presidente americano Donald Trump para ingressar na OCDE, um clube dos desenvolvidos. Não estaríamos queimando etapas?

Emílio Alfieri
21/Mar/2019
  • btn-whatsapp
Afinal, o Brasil está pronto para se tornar um país desenvolvido?

Em recente visita aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu o apoio de Donald Trump para entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que é o clube dos países desenvolvidos.

A entrada na organização seria uma espécie de “selo de qualidade de política econômica”, mas, em troca, por sugestão do presidente americano, o Brasil teria de abrir mão de tratamento especial na Organização Mundial de Comércio (OMC), que garante mais vantagens em acordos comerciais a países ainda em desenvolvimento.

A OCDE é uma organização internacional de 36 países que tem princípios como a democracia representativa e a economia de mercado. Também defende políticas públicas de equilíbrio fiscal e baixa taxa de inflação.

Mas o Brasil já estaria pronto para se comportar como um pais desenvolvido? É o que vamos analisar a seguir:

Inicialmente vamos abordar as cinco etapas que uma nação deve percorrer, para ser enquadrado como um país desenvolvido. A análise será baseada no livro “Etapas para o Desenvolvimento Econômico”, clássico de autoria de W. W. Rostow, de 1961. Vamos incluir o caso brasileiro em cada uma dessas etapas.

I - A sociedade tradicional, onde predomina uma economia de subsistência baseada, em geral, na agricultura e na extração. Foi o Brasil colônia até praticamente o Império.

II – Pré-condições para o arranco ou decolagem, onde a agricultura passa a gerar um “excedente” exportável. Nessa etapa também ocorrem mudanças políticas e o início da urbanização. Foi o que aconteceu com o café já no segundo Império e a proclamação da República. Na urbanização surge o polo de São Paulo, além da capital, que era o Rio de Janeiro, entre outras capitais na costa.

III – Essa é a etapa do arranco, na qual incrementa-se a industrialização. Trabalhadores saem do setor agrícola para as indústrias. Transformações na economia são acompanhadas por novas instituições políticas e sociais. Foi o que começou a ocorrer no Brasil a partir da década de 1930. Além da indústria têxtil e de calçados, essa fase se estende para mineração (Vale em 1941) e CSN em 1945.

Segue rápido processo de criação de indústrias de eletrodomésticos no início dos anos 50 e automobilística na segunda parte da década. Surge Brasília, nova capital no centro do País, com a criação de novas estradas. Seguem novas transformações econômicas e políticas em meados dos 60 com a Reforma Tributária que, além de aumentar a carga, concentra recursos na União para facilitar novos investimentos. A economia acelera nos anos 70, quando um novo plano foca a infraestrutura e a indústria de bens de capital. Mas ao final da década, a alta do petróleo e dos juros nos Estados Unidos encerram abruptamente o ciclo.

IV - Marcha para maturidade. No caso brasileiro o arranco havia se transformado numa “marcha forçada” que desestabilizou a economia, levando a uma crise hiperinflacionária que só foi equacionada com o Plano Real, em meados da década de 90, e com um novo ajuste fiscal, no final da década, que elevou novamente a carga tributária e equilibrou o orçamento, tornando-o, inclusive, superavitário. A maturidade no Brasil se constituiu na estabilização da economia.

V - Era do consumo de massa: nesta fase a população tem acesso aos bens de consumo. A classe média brasileira representa 51% da população. A classe alta, 20%. Sobram as classes inferiores, que ainda são cerca de 30%.

Em síntese, no caso brasileiro, não houve um processo completo, porque faltou “maturidade”. Muita coisa foi feita de improviso e até a qualquer custo. Vale ressaltar que na OCDE há também paises de renda média, como o México. É desafiador para o Brasil.  

 

IMAGEM: Pixabay

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas