A Selic caiu, mas juros bancários são elevados

Embora bancos também reduzam os juros, há uma defasagem entre a medida tomada pelo Copom e o custo dos empréstimos aos clientes

Estadão Conteúdo
08/Fev/2018
  • btn-whatsapp

Enquanto os juros básicos estão em um patamar historicamente baixo, após a decisão desta quarta-feira (7/02), do Banco Central (BC), que levou a Selic para 6,75% ao ano, os juros bancários seguem elevados para padrões internacionais, e o consumidor ainda demora a sentir essa diferença nas taxas cobradas pelos bancos.

A taxa média cobrada em operações de crédito no Brasil no ano passado foi de 25,6% ao ano. A do rotativo de cartão de crédito chegou a 334,6% ao ano e a do cheque especial 323% ao ano.

Na prática, uma dívida de R$ 5.000 no rotativo transforma-se em R$ 5.650 após um mês. No caso do cheque, ela passa para R$ 5.640.

Embora bancos também reduzam os juros quando a Selic cai, há uma defasagem entre a medida tomada pelo Copom e o custo dos empréstimos aos clientes.

A taxa média de juros de crédito consignado cobrada dos trabalhadores do setor privado, que é uma das modalidades mais vantajosas no mercado, por exemplo, era de 39,8% em dezembro de 2017 - um ano antes, estava em 42,7%.

"Há um descasamento entre a atividade econômica e a tomada de crédito. O mercado de trabalho é o último a reagir depois de uma crise, o que leva a uma lentidão na reação dos salários nominais, da renda e da informalidade. Tudo isso é mensurado pelas instituições na hora de conceder crédito. O banco não olha apenas os juros básicos, mas a capacidade que o cliente tem de pagar o empréstimo", afirma Maurício Godói, da Saint Paul Escola de Negócios.

Ele avalia que a partir do segundo trimestre deve haver uma redução mais expressiva dos juros cobrados para o crédito. "Vai cair, mas, de qualquer modo, não acompanha a Selic.

Segundo Nicola Tingas, economista-chefe da Acrefi (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento), é preciso considerar que a economia costuma funcionar no curto prazo: "O risco é alto, porque o nível de planejamento tanto das pessoas quanto das empresas é baixo".

Ele também lembra que há um problema estrutural que depende da melhora das finanças públicas. "Estamos saindo de um processo de recessão severa, em que as perdas foram muito grandes.

Desde o fim do ano passado, a inadimplência vem caindo e a oferta de crédito está aumentando. Esse movimento de transmissão das quedas da Selic para o consumidor tende a ficar mais perceptível."

Nesta quarta-feira, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander anunciaram, na sequência da decisão do Banco Central de cortar a Selic, que vão repassar a redução para suas principais linhas de crédito.

Os juros menores vão beneficiar, conforme comunicados dessas instituições, pessoas físicas e jurídicas.

Apesar da redução da Selic, o presidente executivo do Itaú Unibanco, Candido Bracher, afirmou que espera que os spreads se mantenham estáveis neste ano.

Tende a contribuir para isso, segundo ele, uma maior demanda por crédito que deve elevar o volume de empréstimos e, assim, compensar as margens menores.

Para Erivelto Rodrigues, da Austin Rating, os bancos terão de buscar outras formas de compensar a queda dos juros. "Não terá outro jeito além de crescer a carteira de crédito com qualidade."

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas