A revolução 'silenciosa' do crédito

Com a introdução do PIX e do open banking, BC sinaliza uma reforma estrutural que permitirá reduzir o ainda alto custo do crédito para famílias e empresas

Ulisses Ruiz de Gamboa
11/Set/2020
  • btn-whatsapp

A introdução do PIX e do open banking por parte do Banco Central sinaliza uma importante reforma estrutural, que permitirá reduzir o ainda elevado custo do crédito, enfrentado por famílias e empresas. 

A melhor alocação dos recursos financeiros, associada à redução das taxas de juros de mercado, deverão gerar ganhos de eficiência produtiva e inclusão social, elementos fundamentais para aumentar gerar maior
crescimento e desenvolvimento econômico para o país.  

Em seu último Relatório de Economia Bancária (REB), publicado no final de 2019, o Banco Central estima que cerca de 18% da diferença entre a taxa de juros cobrada pelos bancos e aquela que remunera as aplicações (spread bancário) corresponderia à margem financeira auferida pelas instituições financeiras.

LEIA MAIS:  Em dois meses, pagar uma conta será um processo muito simples 

Embora esta margem também inclua erros e omissões do cálculo, ela reflete a importância do grau de concorrência no mercado de crédito para a determinação da taxa de juros. Isto se evidencia pelo fato de que, no mesmo relatório, o maior impacto sobre o spread bancário viria da redução desta margem financeira.

Consciente da necessidade de desconcentrar o mercado financeiro, a autoridade monetária prevê para novembro o início do funcionamento de duas importantes iniciativas.

A primeira, o PIX, um novo sistema digital, que permitirá a realização de transferências e de pagamentos durante as 24 horas do dia, de segunda a domingo, incluindo feriados.

As transações serão efetuadas sem custo para os usuários, e com segurança e transparência asseguradas pelo próprio BC, devendo substituir as modalidades atuais de transferência de valores (DOC ou TED).

Poderão participar do sistema tanto os bancos e instituições financeiras tradicionais, como aquelas que funcionam de forma digital, tais como as fintechs, por exemplo. Futuramente, o novo sistema permitirá a realização de saques em espécie em estabelecimentos comerciais por parte de seus consumidores.

Na prática, o PIX servirá para reduzir o custo associado às operações financeiras, tanto para famílias, como para empresas, aumentando sua competitividade, além de incentivar o aumento da participação de novos atores na oferta de crédito - o que deverá contribuir para a redução da taxa de juros de mercado.

LEIA MAIS:  Empresas enxergam cenário mais positivo até o fim de 2020

A segunda iniciativa, o open banking, aponta diretamente para elevar a competição no mercado bancário, permitindo o compartilhamento de dados e serviços prestados a clientes entre todos os integrantes do sistema financeiro.

Essa mudança permitiria baratear o custo do crédito por duas vias. Primeiramente, pela maior quantidade de informação sobre os demandantes de recursos financeiros - o que permitiria melhorar a avaliação do seu risco de não cumprimento das obrigações, melhorando a alocação do crédito e diminuindo a inadimplência do sistema.

Em segundo lugar, o compartilhamento de informações permitiria uma maior atuação de bancos de menor porte  incluindo os digitais. Isso geraria maior oferta de produtos de crédito, e também contribuiria para reduzir as taxas de juros de mercado.

ANÁLISE DA CONJUNTURA

1. Síntese da Conjuntura Econômica

• Atividade econômica em junho seguiu em queda, ainda que menos intensa, refletindo os impactos negativos da pandemia e das medidas de quarentena, implementadas para enfrentá-la. A flexibilização das regras de distanciamento social, a partir de junho e julho, devem reduzir as perdas no segundo semestre mas, no ano, o PIB deve fechar em queda.

• O IPCA apresentou leve aceleração em julho, porém ainda segue bem abaixo das metas anuais estabelecidas para 2020 e 2021, favorecendo novos cortes da SELIC e medidas de estímulo monetário e creditício.

• Resultados fiscais mostraram piora em julho, refletindo queda na arrecadação e maiores gastos públicos para fazer frente aos impactos econômicos da pandemia. Perspectiva de acentuação da deterioração das contas públicas ao longo dos próximos meses, elevando grau de endividamento a níveis preocupantes.

• Contas externas ainda seguem solventes, podendo ser afetadas positivamente pela alta do dólar e pela redução das importações de bens e serviços, decorrente da queda da atividade. Perspectiva de diminuição do rombo externo, facilitando seu financiamento pela entrada de capitais financeiros de longo prazo.

2. Juros, Crédito e Inflação

• IPCA acelerou em julho, devido aos aumentos dos preços dos combustíveis, da energia elétrica e dos artigos de residência, continuando, em termos anuais, abaixo do limite inferior da meta anual.

• Em agosto, Banco Central reduziu a taxa básica (SELIC), desta vez, de forma residual para 2,00% ao ano. Na ata,  sinalizou que eventual nova diminuição da taxa exige cautela e pode ser espaçada.

• Crédito à pessoa física continuou desacelerando em julho, no comparativo anual, com diminuição da taxa de juros e leve recuo na inadimplência.

3. Atividade Econômica e Emprego

• Em junho, desemprego se elevou em relação ao ano passado, com queda da renda total (massa de rendimentos) e da ocupação.

4. Indústria

• No mesmo mês, a indústria apresentou novo recuo anual, repercutindo as baixas demanda interna e externa, afetadas negativamente pela pandemia.

• Vendas do varejo cresceram levemente, em junho, na comparação com o mesmo período do ano passado, impulsionadas pela menor taxa de juros e pela atenuação da perda de renda por parte do auxílio emergencial.

• Setor serviços diminuíram sua contração anual, refletindo flexibilização do isolamento social, além dos efeitos positivos do auxílio emergencial e da redução da jornada de trabalho sobre a renda e o emprego das famílias.

• Seguindo as trajetórias do varejo, dos serviços e da indústria, o indicador de atividade do Banco Central (IBC-BR) apresentou forte contração em termos anuais em junho, refletindo os efeitos da covid-19 e do isolamento social.

4. Finanças Públicas

• Governo consolidado (União, Estados, Municípios e empresas estatais) apresentou, em julho, o maior déficit fiscal primário (excesso de despesas não financeiras sobre receitas) registrado neste mês.

• Principais causas dessa deterioração expressiva foram a queda na arrecadação, decorrente dos efeitos negativos da pandemia sobre a atividade, o adiamento do pagamento de impostos e as maiores despesas extraordinárias do Governo Central (Tesouro Nacional + INSS + Banco Central) para combater o impacto da pandemia.

• Despesas financeiras diminuíram em relação a 2019, em decorrência dos resultados positivos com operações de swap cambial por parte do Banco Central, além dos menores níveis da taxa SELIC.

• Resultado nominal (resultado primário + despesas financeiras) observado em julho foi ainda mais negativo (déficit) do que o registrado na leitura anterior.

• Maior déficit nominal provocou elevação da necessidade de financiamento, elevando ainda mais o grau de endividamento do setor público, colocando em risco a solvência de suas contas.

5. Setor Externo

• Aumento do superávit da balança comercial (excesso de exportações sobre importações de mercadorias), em julho, devido fundamentalmente à queda mais expressiva das importações do que a observada nas exportações, em
bases anuais.

• Quedas da remessa de lucros e dividendos, viagens internacionais e transporte e aluguel de máquinas causadas pela pandemia foram os principais responsáveis pelo superávit em conta corrente (excesso de exportações sobre importações de bens e serviços), durante o mesmo mês.

• Entrada de capitais financeiros de longo prazo (Investimento Direto no País – IDP) foi levemente inferior à observada no ano anterior.

• Contas externas seguem mostrando solvência, com entradas de capitais de longo prazo mais do que suficientes para cobrir as necessidades de financiamento externo.

FOTO: Reprodução/site

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas