A receita para tentar salvar a BR Pharma

O plano é ficar apenas com a rede de franquias Farmais, que hoje tem 443 unidades em nove Estados, e vender as poucas unidades próprias da Big Ben e Santana

Estadão Conteúdo
11/Abr/2018
  • btn-whatsapp
A receita para tentar salvar a BR Pharma

Em busca de uma saída para sua difícil situação financeira, a rede de farmácias BR Pharma apresentou na noite de segunda-feira, 9, sua proposta de reestruturação.

O plano é ficar apenas com a rede de franquias Farmais, que hoje tem 443 unidades em nove Estados. E, para pagar credores, a empresa quer vender os pontos comerciais e as poucas farmácias próprias que sobraram das redes Big Ben e Santana, encerrando a operação própria da companhia.

A empresa está nas mãos da Lyon Capital - de Paulo Remy, ex-presidente da W/Torre - desde abril de 2017, quando os sócios do BTG Pactual decidiram sair de vez do negócio após dificuldades em fazer a BR Pharma decolar mesmo em meio ao crescimento vigoroso de redes como Raia Drogasil.

A Lyon, que adquiriu a BR Pharma pelo valor simbólico de R$ 1 mil e ainda tomou empréstimo de R$ 883 milhões do BTG, não conseguiu reestruturar o negócio.

Enfrentando ações de despejo em farmácias da rede, entrou em recuperação judicial em janeiro. Depois disso, os sócios do BTG chegaram a aportar R$ 48 milhões na tentativa de dar fôlego à companhia, que segue com problemas.

Agora, o plano de recuperação propõe quitar apenas uma parte pequena do R$ 1,2 bilhão que a BR Pharma deve. A empresa pede desconto de 75% a 95% na dívida. Alternativamente, aos credores sem garantia, oferece pagamento em 30 anos. A Lyon também se movimenta na Justiça para tentar devolver a BR Pharma aos sócios do BTG.

LEIA MAIS: A maior rede de farmácias do Sul chega a São Paulo

De longe, os principais credores são os sócios do BTG Pactual, que criaram a empresa em 2009 e hoje cobram mais de R$ 900 milhões da rede de farmácias por meio da empresa de participações batizada de PPLA. Qualquer solução para a BR Pharma passará, portanto, por um acordo ou disputa entre a Lyon Capital e o banco.

Os sócios do BTG não têm intenção de voltar à empresa e já refutaram na Justiça os argumentos da Lyon - o pleito de devolução do ativo está pendente de decisão. A avaliação, por ora, é que os debates serão em torno do desconto da dívida, segundo fontes próximas ao banco. Já a Lyon deseja melhorar sua posição na negociação com seu principal credor, diz um interlocutor próximo às conversas.

LEIA MAIS: Unidas, pequenas farmácias vencem a crise

A BR Pharma foi formada pelos sócios do BTG em 2009 e chegou ao posto de maior rede de farmácias do País após fazer uma série de aquisições. A hoje quase abandonada Big Ben, do Pará, foi adquirida por mais de R$ 450 milhões em 2011.

Em 2012, começaram a aparecer problemas. Após prejuízos, os sócios do BTG iniciam o desmonte da companhia em 2015, com a venda da Mais Econômica e da Rosário. Os problemas crescendo e culminaram no repasse do negócio por R$ 1 mil e na recuperação judicial.

Na prática, Santana e Big Ben quase não existem mais após a BR Pharma fechar, na semana passada, 63 farmácias das duas redes. As marcas, porém, ainda têm valor, na avaliação da BR Pharma, e estarão na lista de ativos em busca de interessados.

Procurados, BR Pharma e Lyon Capital não retornaram. A PPLA não quis comentar.

FOTO: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas