A pauta positiva

A violência urbana não é um fenômeno fluminense; é nacional. Precisa de uma intervenção ampla, desde o policiamento ao trato da formação das novas gerações

Aristóteles Drummond
04/Out/2017
  • btn-whatsapp
A pauta positiva

O país está mergulhado na crise e a sociedade vive a discutir questões alheias à solução dos problemas políticos, econômicos, sociais e até mesmo de natureza jurídica.

Enquanto isso, a economia não consegue acompanhar o desempenho dos demais países. Estamos felizes com uma estagnação controlada e pela situação não ser ainda pior. O que, convenhamos, é um absurdo.

O Executivo vive em função de obter os votos para proteger o presidente e seus ministros de acusações oriundas não da oposição, mas, sim, do Ministério Público Federal. O Legislativo está preocupado em liberar emendas no toma lá dá cá das votações.

E o Judiciário, indiferente à urgência de acelerar julgamentos relativos às recentes operações da Polícia Federal e denúncias do MPF, de forma a atender o reclamo popular pelo fim da impunidade. A demora, os recursos tipicamente latinos, conspira em favor da impunidade.

Com vontade política, liderança efetiva e o uso correto da autoridade, as reformas poderiam ser votadas e aprovadas. O Judiciário conseguiria criar instrumentos de agilização de processos e o governo buscar adotar uma postura mais afinada com o pensamento nacional e menos com a eventual, frágil e oportunista maioria no Congresso.

E, assim, alterar a composição ministerial pelo mérito e não pela quantidade de votos no Parlamento. Com respaldo na opinião pública, poderia ter a maioria desejada, independentemente de negociações espúrias.

A violência urbana não é um fenômeno fluminense; é nacional. Precisa de uma intervenção ampla, desde o policiamento ao trato da formação das novas gerações, que, no ócio, estão naturalmente a um passo da marginalidade.

A leitura dos jornais evidencia o distanciamento do debate nacional da realidade. Tentam distorcer fatos, como no caso das palavras de bom senso e tranquilizadoras de um oficial general do Exército, que apenas afirmou que o Brasil não cairia no caos com omissão dos seus soldados.

E isso jamais estaria ferindo a Constituição e a democracia. Muito pelo contrário. Sem ordem não há democracia nem progresso. Mas a interpretação maldosa de ressentidos procurou dar uma conotação equivocada. Claramente de má-fé.

Observadores isentos indagam quem pode estar interessando neste quadro confuso, tenso, incerto em país das dimensões do nosso e com problemas tão grandes.

Menos ambições, menos vaidades, menos ódios e ressentimentos. Mais amor ao Brasil e mais solidariedade aos que sofrem o desemprego, a falta de recursos na saúde e na segurança pública. É disso que precisamos.

*As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio 

FOTO: THINKSTOCK

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas