Negócios

Confiança dos empresários da indústria segue em alta


Em novembro, houve alta de 0,5 ponto em relação ao mês passado. Em uma escala em que valores acima de 50 pontos significam otimismo, o indicador chegou a 56,5 pontos, de acordo com a CNI


  Por Estadão Conteúdo 23 de Novembro de 2017 às 12:28

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O otimismo dos empresários da indústria continua em alta, de acordo com a pesquisa mensal da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) voltou a subir em novembro, com alta de 0,5 ponto em relação ao mês passado. Em uma escala na qual valores acima de 50 pontos significam otimismo, o indicador chegou a 56,5 pontos e se distanciou ainda mais da média histórica de 54 pontos.

Com quatro meses consecutivos de alta, o Icei chegou ao seu melhor nível desde abril de 2013, ainda antes da crise que levou o País à pior recessão de sua história.

Na comparação com novembro do ano passado, a melhora do indicador é de 4,8 pontos.

Dentre os componentes que formam o indicador principal, o Índice de Condições Atuais avançou 1,1 ponto em novembro, para 51,5 pontos.

O resultado é 7,7 pontos melhor que o de novembro do ano passado, o que fez o indicador chegar ao maior patamar desde abril de 2011.

"Isso indica que o empresário percebe melhora das condições correntes de negócios, o que não acontecia desde novembro de 2012", destaca a CNI, em referência ao fato do índice finalmente ter ultrapassado os 51 pontos.

A avaliação dos empresários sobre a situação atual da economia brasileira passou de 49,9 pontos para 50,8 pontos em novembro, enquanto o diagnóstico sobre seus próprios negócios passou de 50,7 pontos para 51,9 pontos.

O outro componente principal do Icei é o Índice de Expectativas para os próximos seis meses, que se manteve praticamente constante em novembro, subindo de 58,8 pontos para 58,9 pontos.

As perspectivas sobre a economia do País passaram de 54,9 pontos para 55,2 pontos, enquanto as expectativas para as próprias empresas foram de 60,8 pontos para 61,0 pontos.

FOTO: Thinkstock