Gestão

Cotait: é necessário equilíbrio entre a proteção à saúde e das empresas


Alfredo Cotait Neto, presidente da ACSP e da FACESP, destaca que, ao impor restrições, o poder público precisa oferecer contrapartidas


  Por André de Almeida  01 de Abril de 2020 às 13:13

  | Repórter andre.dcomercio@gmail.com


A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) está produzindo, por meio da iniciativa “#TamoJuntoSP, o canal do empreendedor de São Paulo”, uma série de lives diárias no YouTube da entidade com o objetivo de ajudar o empreendedor a atravessar esse período de instabilidade na economia provocado pela pandemia de coronavírus.

O presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alfredo Cotait Neto, destacou a capilaridade e a representatividade da Facesp no estado, com 420 associações comerciais filiadas.

“Essas entidades defendem valores como a livre-iniciativa e o associativismo, e, junto com voluntários, procuram representar o micro, pequeno e médio empresário junto às autoridades paulistas”, afirmou.

Quanto à pandemia de coronavírus e as restrições impostas ao comércio, Cotait entende que as ações restritivas adotadas pelo governo do estado são necessárias para frear o aumento da propagação do Covid-19. No entanto, o dirigente reforçou que é preciso haver um equilíbrio entre as medidas de saúde e aquelas que impactam o comércio na cidade.

“O comércio não aguenta mais ficar paralisado sem uma ajuda efetiva das autoridades governamentais”.

O dirigente lembrou as inúmeras reivindicações encaminhadas pela entidade para o governo municipal, estadual e federal. Para a prefeitura de São Paulo, entre outras medidas, foi pedida a postergação do ISS por 90 dias após a emissão, dos IPTUs por até 90 ou 120 dias, além da postergação da outorga onerosa.

Para o governo de São Paulo, a Facesp e a ACSP solicitaram, entre outros pleitos, a postergação dos impostos estaduais, como o ICMS, por exemplo. “É preciso haver sensibilidade. Se o comércio não está trabalhando, vendendo ou gerando renda, como que pagará esses impostos?”, questionou Cotait. “Ao impor restrições, as autoridades devem oferecer contrapartidas para que elas possam ser cumpridas na sua plenitude”, completou.

Em relação ao governo federal, o dirigente lembrou que a Facesp e a ACSP têm uma excelente interlocução com o Ministério da Economia e o ministro Paulo Guedes. “O ministério já acatou algumas das nossas sugestões, entre elas o financiamento da folha de pagamento para as micro e pequenas empresas. Pedimos também a suspensão do IOF”, destacou.

Cotait solicitou a todas as associações comerciais filiadas à Facesp para que orientem seus associados a cumprirem as determinações do governo do estado. Ele também destacou a importância dos comerciantes inovarem e se capacitarem. “Fico muito feliz que a ACSP está desenvolvendo cursos por meio da Faculdade do Comércio de São Paulo (FACSP), visando requalificar a mão de obra no setor”.

“A situação que estamos vivendo não é fácil. Sejam prudentes e cautelosos. É hora de nos unirmos. Reitero a importância da união entre as três esferas de governo para uma coordenação única, a fim de encontrarmos uma solução mais rápida para a crise”, concluiu Cotait.





Publicidade





Publicidade





Publicidade