Finanças

Maioria das lojas não dá desconto para compras à vista


Levantamento do BC aponta que apenas 32,4% dos consumidores tiveram oferta ao pagar em dinheiro ou cartão de débito. Esse percentual aumentou para 42,6% entre consumidores de renda mais alta


  Por Agência Brasil 29 de Março de 2018 às 13:07

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


A oferta de descontos para pagamento em dinheiro ou cartão de débito ainda não é uma prática na maioria dos estabelecimentos comerciais. É o que conclui um estudo, divulgado no Relatório de Inflação, publicado nesta quinta-feira (29/04) na internet, pelo Banco Central (BC).

De acordo com a pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getulio Vargas (FGV), feita a pedido do BC, apenas 32,4% dos consumidores afirmaram que houve oferta de desconto caso o pagamento fosse feito em dinheiro ou cartão de débito. Esse percentual aumentou para 42,6% entre consumidores de renda mais alta.

A pesquisa foi incluída em questionários de sondagens do Consumidor, Comércio e Serviços. Foram consultadas 1.1 mil empresas comerciais, 1,8 mil de serviços e 1,6 mil consumidores, em fevereiro de 2018.

A Medida Provisória nº 764 de dezembro de 2016, convertida na Lei nº 13.455 de julho de 2017, autorizou os estabelecimentos comerciais a oferecerem preços diferentes em função do meio de pagamento.

O pagamento feito em dinheiro ou débito reduz o custo dos lojistas e o prazo para receber os recursos das instituições financeiras, quando comparados com o pagamento feito com o cartão de crédito.

“Os dados revelam que parcelas importantes do comércio e do setor de serviços não oferecem a possibilidade de desconto em função da forma de pagamento. Esse fato indica que há potencial para intensificação da prática de diferenciação de preços, o que potencializaria os benefícios propiciados pela nova legislação”, afirma o BC.

De acordo com o relatório, a maioria dos consumidores (63,9%) tem conhecimento da possibilidade de diferenciação de preços conforme o tipo de pagamento.

“Importante observar, adicionalmente, que mais de um terço dos entrevistados respondeu que houve elevação da frequência com que o desconto foi oferecido na comparação com o ano passado”.

COMÉRCIO E SERVIÇOS 

Os resultados mostram que a prática de oferecer descontos para pagamentos em dinheiro ou cartão de débito é mais comum no comércio, setor em que 46,4% dos entrevistados afirmaram oferecer essa possibilidade aos clientes.

Mas há diferenças entre os subsetores. Enquanto no segmento de material de construção, esse percentual alcança 69,5%, no segmento de hiper e supermercados apenas 2,6% oferecem descontos.

Entre os estabelecimentos que ofereceram essa possibilidade para os clientes, 64,4% informaram que a oferta estava anunciada. O desconto médio atingiu 8,4% e 7,1% para pagamentos em dinheiro e cartão de débito, respectivamente, com a maior frequência de descontos nas faixas de 2,5% a 5% e de 7,5% a 10%.

De acordo com o BC, o conhecimento da legislação é amplo, na medida que 85,6% dos entrevistados admitiram conhecer a lei.

No setor de serviços, os resultados da pesquisa sugerem que a prática de descontos não é tão disseminada. Apenas 17,4% dos entrevistados informaram ter oferecido essa possibilidade ao cliente, embora haja conhecimento difundido sobre a nova legislação (73,9% tem conhecimento da lei que permite diferenciação de preços.

De acordo com o relatório, em alguns segmentos como serviços de manutenção e reparação e serviços prestados às famílias, o percentual que ofereceu a possibilidade de desconto atinge patamares mais altos (59,2% e 29,2%, respectivamente).

O desconto médio atingiu 9,4% e 8% para pagamentos em dinheiro e cartão de débito, respectivamente, com a maior frequência de descontos nas faixas de 2,5% a 5% e de 7,5% a 10%, assim como no comércio.

FOTO: Thinkstock