Economia

Focus: taxa Selic deve subir pela segunda vez consecutiva


Expectativa do mercado financeiro é que juros básicos subam para 4,25% ao ano já na reunião do Copom desta semana, segundo o boletim de indicadores econômicos do BC desta segunda (14/06)


  Por Agência Brasil 14 de Junho de 2021 às 09:45

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O mercado financeiro espera que a taxa básica de juros, a Selic, suba 0,75 ponto percentual para 4,25% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), marcada para esta semana.

A expectativa está no Boletim Focus, pesquisa divulgada semanalmente pelo do Banco Central (BC). Atualmente, a Selic está em 3,5% ao ano após o segundo aumento consecutivo, devido à alta da inflação no país.

Para o mercado financeiro, a expectativa é de que a Selic termine 2021 em 6,25% ao ano. A previsão da semana passada estava em 5,75%. Para o fim de 2022, 2023 e 2024, a estimativa é de que a taxa básica chegue a 6,5%.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

INFLAÇÃO 

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 5,44% para 5,82%, na 10ª alta consecutiva.

A estimativa para 2021 supera o limite da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. O centro da meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 2,25% e o superior de 5,25%.

Para 2022, a estimativa de inflação foi ajustada de 3,70% para 3,78%. Tanto para 2023 como para 2024 a previsão para o índice é de 3,25%.

ECONOMIA E CÂMBIO 

A previsão para o crescimento do PIB subiu de 4,36% para 4,85%. Para o próximo ano, a estimativa de crescimento da economia passou de 2,31% para 2,20%. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro projeta expansão em 2,50%. 

Já a expectativa para a cotação do dólar caiu de R$ 5,30 para R$ 5,18 para o final deste ano, e de R$ 5,30 para R$ 5,20 no fim de 2022. 

FOTO: Adriano Machado/Reuters





Publicidade





Publicidade









Publicidade