Economia

Comércio se destaca como gerador de empregos no Estado de SP


No quarto trimestre de 2018, o setor foi o único com saldo positivo na comparação mensal


  Por Redação DC 19 de Fevereiro de 2019 às 17:54

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O comércio vem se recuperando da crise de maneira lenta. Ainda assim, no Estado de São Paulo, é o setor que mais gerou postos de trabalho no quarto trimestre de 2018 (outubro a dezembro), segundo números divulgados pela Fundação Seade.

Na comparação com o trimestre anterior, o comércio registrou alta de 1,3% no emprego formal. Em todos os demais setores houve queda nessa comparação, com destaque para a agricultura, onde a variação foi negativa em 7,1%.

Na comparação com o quarto trimestre de 2017, a alta nas contratações do comércio paulista foi de 0,8%, abaixo apenas do setor de serviços, que nessa comparação anual registrou avanço de 2%. Nos demais setores ocorreu queda.

O maior saldo de contratações se deu para a função de vendedor de comércio varejista. No quarto trimestre de 2018, foram registradas 71,6 mil admissões para essa ocupação e 60,7 mil desligamentos, resultando em saldo positivo de 10,8 mil empregos.

Outros destaques foram para as ocupações de atendente de loja e mercado e operador de caixa, que tiveram, respectivamente, saldos positivos de 7,9 mil e 5,1 mil postos criados.

Por outro lado, o maior saldo negativo foi encontrado entre motoristas de caminhão, ocupação que perdeu 11,8 mil vagas, resultado de 13,3 mil admissões contra 25,4 mil desligamentos na atividade.

RESULTADO GERAL

No Estado de São Paulo foram eliminados 79.421 postos de trabalho no quarto trimestre de 2018, resultado de 1.035.198 admissões e 1.114.619 desligamentos.

Em 31 de dezembro, o estoque de 11.955.673 empregos celetistas, no setor privado, representava 31,2% do total de empregos deste tipo no Brasil.

Estoque de empregos formais ficou 0,7% inferior ao registrado no 3º trimestre de 2018.

Na comparação com o 4º trimestre de 2017, o nível de emprego cresceu 1%.

 

IMAGEM: Thinkstock