Economia

Atividade econômica registra alta de 0,4% em setembro


No ano, o IBC-Br, do Banco Central, avançou o,43%. O índice é conhecido como a prévia para o PIB


  Por Estadão Conteúdo 20 de Novembro de 2017 às 11:50

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Após ceder 0,37% em agosto (dado já revisado), a economia brasileira registrou alta em setembro de 2017. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) avançou 0,40% em setembro ante agosto, na série com ajuste sazonal, informou a instituição.

O índice de atividade calculado pelo BC passou de 135,20 pontos para 135,74 pontos na série dessazonalizada de agosto para setembro. Este é o maior patamar para o IBC-Br com ajuste desde dezembro de 2015 (136,86 pontos).

Na comparação entre os meses de setembro de 2017 e setembro de 2016, houve alta de 1,30% na série sem ajustes sazonais. Esta série encerrou com o IBC-Br em 135,16 pontos em setembro, ante 133,43 pontos de setembro do ano passado.

Conhecido como "prévia do BC para o PIB", o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A previsão oficial do BC para a atividade doméstica em 2017 é de avanço de 0,7%. No Relatório de Mercado Focus publicado hoje, a mediana das estimativas do mercado para o Produto Interno Bruto (PIB) este ano está em 0,73%.

ACUMULADO

O índice acumulou alta de 0,43% em 2017 até setembro, sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresenta recuo de 0,65% nos 12 meses encerrados em setembro.

Na comparação do trimestre encerrado em setembro deste ano com o mesmo período do ano passado, o IBC-Br avançou 1,45% pela série observada. As projeções variavam entre +1,20% e +1,61% (mediana de +1,40%).

Como de costume, o Banco Central revisou dados do Índice de Atividade Econômica na margem, na série com ajuste. Em agosto, o IBC-Br passou de -0,38% para -0,37%. Em julho, o índice foi de +0,36% para +0,42%. No caso de junho, a revisão foi de +0,47% para +0,51%. O dado de maio permaneceu em -0,19% e o de abril foi de +0,16% para +0,20%. Em relação a março, o BC substituiu a taxa de -0,40% pela de -0,43%.

IMAGEM: Thinkstock