Brasil

Mais de 23 mil empresas de serviços fecharam em 2017


Mais de 43 mil empregos foram perdidos, de acordo com o IBGE. A atividade de prestação de serviços não financeiros era exercida por 1,3 milhão de empresas responsáveis por ocupar 12,3 milhões de trabalhadores


  Por Estadão Conteúdo 28 de Agosto de 2019 às 10:49

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Mesmo passada a recessão econômica, 23,1 mil empresas do setor de serviços não financeiros fecharam as portas no ano de 2017, segundo a Pesquisa Anual de Serviços (PAS), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ao todo, mais de 43 mil empregos foram perdidos no País. A atividade de prestação de serviços não financeiros era exercida por 1,3 milhão de empresas ativas em 2017, responsáveis por ocupar 12,3 milhões de trabalhadores, que receberam R$ 336,7 bilhões em salários e outras remunerações.

A receita operacional líquida totalizou R$ 1,5 trilhão, com geração de R$ 906,5 bilhões de valor adicionado bruto. Quase um terço da receita foi obtida pelo segmento de Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (29,5% da receita total dos serviços).

Os Serviços profissionais, administrativos e complementares detiveram a segunda maior a receita (26,2%). Os Serviços de informação e comunicação detinham 22,5% da receita; Serviços prestados principalmente às famílias, 12,0%; e Outras atividades de serviços, 5,6%. Apesar das demissões recentes, num período de dez anos, mais 3,3 milhões de trabalhadores passaram a atuar no setor de serviços não financeiros.

No entanto, o salário médio recuou de 2,6 salários mínimos em 2008 para 2,2 salários mínimos em 2017. Todas as atividades registraram redução na remuneração média dos empregados, com exceção dos Serviços prestados às famílias, que mantiveram o patamar de 1,5 salário mínimo no período, a mais baixa entre os segmentos pesquisados.

O setor de Serviços de informação e comunicação foi o que mais reduziu a remuneração dos trabalhadores em uma década: de 5,9 salários mínimos em 2008 para 4,6 salários mínimos em 2017.