Vantagens e desvantagens do store in store

A operação compartilhada é uma forma de reduzir custos de aluguel e aproveitar fluxo de clientes, mas que obriga o lojista a pensar fora da caixa

Mariana Missiaggia
29/Jun/2022
  • btn-whatsapp

Há quase dez anos o Brasil viveu um boom de barbearias. Numa roupagem vintage e estilosas, elas se reinventaram e saíram do tradicional "barba, cabelo e bigode" para salões que combinam seu espaço com bares, cafeterias e estúdios de tatuagem.

Além de trazer modernidade ao ambiente, essa soma de serviços fez o lucro de muitos comerciantes crescer, elevando esse tipo de negócio a outro patamar.

A prática de somar forças, tendo um negócio complementando o outro, tem nome: store in store, que por aqui podemos chamar de loja dentro de loja.

A ideia é que essa seja uma relação de ganha-ganha. Quem abriga o negócio parceiro pode receber uma taxa, como aluguel, e diversifica o público com a oferta de novos serviços ou produtos no local. Quem se instala no espaço parceiro foge dos valores inflacionados de shoppings, por exemplo, e aproveita a presença de clientes já existente.

Para o cliente, o ponto positivo está justamente na possibilidade de planejar a compra de variados itens em um único lugar, ou vivenciar experiências diferenciadas, como tomar aquele cafezinho enquanto aguarda a vez de cortar o cabelo.

É comum ver o store in store ser implantado em supermercados e livrarias, que agregam cafeterias, lojas de presentes, entre outros. Mas o formato é possível para qualquer tipo de negócio, de acordo com Fernanda Dalben, especialista em varejo.

Porém, é preciso fazer contas. Pensando em quem cede o espaço, Fernanda destaca que o acompanhamento e análise de métricas de desempenho são fundamentais para entender a performance do ponto de venda em questão.

“É uma área de vendas a menos para o seu negócio, portanto, essa parceria precisa trazer resultados ainda mais rentáveis”, diz.

Já para a empresa que vai se instalar, existe a necessidade de se adaptar às rotinas do negócio que irá recebê-la.

Outro ponto levantado por Fernanda é o uso de tecnologia – gôndolas infinitas, suporte on-line e serviços de entrega garantem experiências melhores. Por terem seus espaços reduzidos, os negócios que adotam o modelo store in store precisam adotar estratégias diferenciadas.

A falta de complementariedade de mix, por exemplo, pode ser um problema. "É preciso pensar numa troca. Não se trata apenas de um espaço de locação. O que o empreendimento faz pela minha loja e o que minha loja realiza para que todos ganhem?".

A seguir, listamos alguns pontos positivos e alguns cuidados para operações no modelo de loja dentro de loja:

LEIA TAMBÉM:

Conheça as cláusulas que devem constar em contrato de store in store

 

*confira na próxima semana dicas de gestão para operar no modelo store in store

IMAGEM: Freepik

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas