Ritmo da arrecadação deve diminuir em 2024, diz ACSP

A expectativa, que tem como base as projeções do Impostômetro, aponta para alta de 3% na arrecadação deste ano. Em 2023, o avanço foi de 5,8%

Redação DC
10/Jan/2024
  • btn-whatsapp
Ritmo da arrecadação deve diminuir em 2024, diz ACSP

Ao longo do ano passado, o brasileiro pagou R$ 3,1 trilhões em tributos para os governos, segundo estimativas do Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O montante representou uma alta de 5,8% na comparação com o resultado de 2022, sem corrigir pela inflação.

Segundo Ulisses Ruiz de Gamboa, economista da ACSP, o aumento da arrecadação no ano passado teve como causas “a inflação elevada - uma vez que o nosso sistema tributário taxa fortemente o consumo - e também a expansão da atividade econômica”.

Para 2024, o economista projeta uma redução do crescimento da arrecadação, que deve avançar 3% sobre o resultado de 2023. "Antecipamos um crescimento mais moderado devido às perspectivas de uma menor expansão na atividade econômica e de uma inflação menor".

DESTINATÁRIOS

A decomposição dos R$ 3,1 trilhões arrecadados no ano passado mostra que R$ 2 trilhões entraram no caixa do governo federal, R$ 839,3 bilhões foram para os Estados e R$ 190 bilhões para os municípios. Esses valores incluem impostos, taxas, contribuições, multas, juros e correção monetária. 

Como comparação, em 2022, quando o Impostômetro registrou R$ 2,8 trilhões, a União arrecadou R$ 1,9 trilhão, os governos estaduais, R$ 793,3 bilhões, e os municipais, R$ 179,7 bilhões.

É possível conferir em tempo real o valor em tributos pago pelos brasileiros no site do Impostômetro

 

IMAGEM: Rebeca Ribeiro/DC

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas