Por que tantas gigantes do varejo estão em crise financeira?

Razões vão desde queda de demanda e juros altos até decisões de fundos de reduzir investimentos em empresas digitais e falhas em análises da realidade brasileira

Fátima Fernandes
11/Abr/2023
  • btn-whatsapp
Por que tantas gigantes do varejo estão em crise financeira?

Quem diria que Americanas, Marisa, Tok & Stok, Amaro, Centauro e outras estariam no início deste ano na lista de varejistas com problemas financeiros que chegam aos bilhões de reais?

Cada uma delas, evidentemente, tem os seus motivos, incluindo até fraudes contábeis. O que chama a atenção é o fato de as dívidas serem expostas quase todas ao mesmo tempo.

A crise financeira chegou a tal ponto que os shoppings já sentem os reflexos. Algumas redes, como Americanas, Tok & Stok e Marisa atrasam os pagamentos de aluguéis.

Quem trabalhou décadas no varejo e ou acompanha este mercado tem explicações que vão desde o fato de o crédito estar mais caro até o fim do apetite de fundos de investimento.

O negócio do varejo depende de capital de giro, o que não quer dizer que a empresa que recorre aos bancos para tocar o dia a dia esteja em situação financeira ruim ou quebrada.

“O problema, neste momento, é que o crédito está mais restrito e mais caro”, afirma Sandro Benelli, consultor de varejo e membro do conselho de administração do Super Nosso.

Se um supermercado pega R$ 1 milhão de um banco para comprar arroz, com prazo de pagamento de 35 ou 40 dias, e vende tudo em oito dias, diz, vai até ganhar dinheiro.

CAIXA VAZIO

Para Benelli, a origem do problema das empresas digitais e das físicas é diferente, mas o problema é o mesmo: falta de dinheiro em caixa.

No caso das digitais, a visão do negócio de muitas empresas era crescer a qualquer custo, sem se preocupar com lucratividade, pelo menos num primeiro momento.

“Os fundos de investimento cansaram de ter prejuízo e agora começam a ver que o modelo de muitos negócios simplesmente não para em pé.”

O prejuízo de cerca de US$ 350 milhões da plataforma Airbnb, em 2021, de acordo com Benelli, deixou o mercado ressabiado fora e no Brasil.

Outro caso que assustou o mundo dos negócios digitais foi o colapso financeiro da WeWork, empresa de coworking que recebeu aporte do fundo japonês SoftBank.

“O fundo parou de investir na empresa e todo o mercado começou a se questionar. Acabou aquele momento de jogar dinheiro fora. É preciso ter lucro em todas as operações.”

As empresas de tecnologia não recebem mais aporte dos fundos como antes, de acordo com Marcos Hirai, fundador do NDEV (Núcleo de Desenvolvimento de Expansões Varejistas).

“Os investimentos simplesmente secaram, principalmente pelo risco do que está ocorrendo no mundo, com impacto no Brasil. O caso da Amaro é um exemplo”, afirma.

DEPENDÊNCIA DE SEGURADORA

No caso de varejistas que vendem eletroeletrônicos, de acordo com Benelli, há um outro problema a ser enfrentado neste momento.

As transações entre a indústria e a loja, geralmente, são realizadas por meio de uma operação de seguro. Se a seguradora não dá o aval, as lojas simplesmente não recebem os produtos.

“A roda inteira está girando ao contrário neste início de ano. Juros altos, prazos mais curtos, consumidor com menos dinheiro para gastar. O cenário é negativo.”

Evidentemente, não são somente os grandes players que estão com dificuldades financeiras. Empresas regionais do varejo de alimentos, diz, começam a buscar compradores.

Isso significa que a lista de empresas grandes e médias com problemas financeiros deve engrossar nos próximos meses também do setor supermercadista.

FALHA NAS ANÁLISES

Para Marcos Escudeiro, conselheiro de empresas e colaborador do FGVcev (Centro de Excelência em Varejo) da FGV, faltou para as empresas olhar para a realidade do Brasil.

Em 2020 e 2021, a ajuda do governo federal para os mais carentes ficou próxima de R$ 360 bilhões, valor que caiu nos anos seguintes.

Com os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), em razão das demissões ocorridas no período crítico da pandemia, os consumidores saíram às compras.

“Agora, os recursos nas mãos dos brasileiros diminuíram, e não há demanda para produtos eletroeletrônicos, como em 2020”, afirma Escudeiro.

As grandes empresas, especialmente as com ações em Bolsa, diz, estão mais preocupadas em dar declarações para analistas de bancos e acionistas do que com o chão de loja.

“Analista de banco só olha relatório, não visita loja. Os executivos são cobrados pelos acionistas para cuidar de números, para falar de abertura de novas unidades.”

A análise de cenário macroeconômico, de acordo com Escudeiro, é fundamental para fazer o planejamento de uma empresa.

“Será que todas essas empresas consideraram o empobrecimento da população? Na análise de mercado, a empresa não pode incluir sonho. É realidade versus competência mais esforço.”

A pandemia do novo coronavírus, em sua análise, acabou expondo as falhas de redes varejistas que pareciam ter gestão impecável.

EFEITO NA BOLSA

O resultado da má gestão, afirma ele, pode ser visto no valor das ações das empresas.

A Americanas, com dívida perto de R$ 48 bilhões, registra a maior queda no valor de suas ações, de 96,76%, no período de 12 meses encerrados em 24 de fevereiro deste ano.

A Marisa, com dívida bancária da ordem de R$ 242 milhões, vem em segundo lugar, com queda de 76,67%, seguida de Espaço Laser (69,76%) e Riachuelo (67,96%).

Também enfrentaram grande quedas nas ações, no período, Centauro (61%), Petz (60%), C&A (60%), Lojas Quero-Quero (50%), Via - Casas Bahia e Ponto (49%) e Magazine Luiza (42%).

Somente neste ano (até início deste mês), as ações da Americanas caíram 89% e, da Marisa, 49,6%. Como base de comparação, o índice Ibovepa acumula queda de 5%, no período. 

“Uma coisa é a realidade do mercado, outra, os especuladores da Bolsa. Fala-se em oferecer experiência para o cliente. Se fosse só isso, os atacarejos não estariam indo tão bem”, afirma.

MARGENS APERTADAS

Muitos setores do varejo trabalham com margem pequena e, para aproveitar a alta de demanda de alguns produtos durante a pandemia, acabaram financiando a expansão.

“Quando há elevação da taxa de juros, como agora, o financiamento fica muito caro e os problemas financeiros começam a aparecer”, diz Maurício Morgado, líder do FGVcev.

No caso das empresas digitais, afirma, o crescimento se deu exatamente no momento da pandemia. “Agora, na hora de rolar a dívida, ficou complicado.”

Além de todos os pontos citados acima, Alexandre Machado, consultor de varejo, menciona a eficiência como crucial para o sucesso de uma empresa do setor de varejo.

INEFICIÊNCIA

“Muitas empresas parecem subestimar a importância da eficiência operacional em seus negócios. Custos operacionais altos podem facilmente minar os resultadas das empresas.”

Mesmo para as empresas que parecem nadar em águas tranquilas, de acordo com ele, é importante simplificar processos e reduzir desperdícios.

“Poucas ações são observadas na prática. Isso certamente levanta dúvidas sobre a capacidade real das empresas de inovar e se adaptar rapidamente a mudanças de mercado.”

Atualmente, de acordo com ele, a questão da eficiência na condição do negócio tem sido o assunto mais abordado em congressos do setor e em reuniões empresariais.

“É um pilar fundamental, pois, sem eficiência não há recursos disponíveis para investir em novas tecnologias, automação de processos, treinamento de equipes e outros projetos importantes para a empresa se manter competitiva e sustentável”, diz.

Esta situação não é problema somente no Brasil. O fechamento de lojas da Amazon Go, em São Francisco e Seattle, nos Estados Unidos, diz ele, revela que o problema é mundial.

A Amazon Go é uma cadeia de lojas de conveniência nos EUA e no Reino Unido. As lojas não possuem caixas. O cliente paga pelos produtos por meio de conta na Amazon.

EFEITO CASCATA

A crise financeira de grandes varejistas já começa a afetar outros setores.

Empresas de shoppings estão tendo de lidar com atrasos no pagamento de aluguéis das varejistas. Fundos imobiliários também sofrem os efeitos da inadimplência das redes.

“Não é todo o varejo que está mal e, sim, as empresas endividadas. Mas já dá para dizer que, em geral, os varejistas estão com mais medo de expandir os seus negócios”, diz Hirai.

O fato é que depois do caso da Americanas, em sua avaliação, o varejo entrou para a “lista negra” dos bancos.

“A concessão de crédito está bem mais difícil, e isso deve provocar um efeito cascata com impacto em shoppings e mercado imobiliário, principalmente”, diz.

 

IMAGEM: DC

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas