Os desafios da Nike para integrar varejo físico e online

Com a experiência de compra cada vez mais omnichannel, a marca tenta desvendar a influência de cada canal no resultado de suas operações

Mariana Missiaggia
19/Jun/2018
  • btn-whatsapp
Os desafios da Nike para integrar varejo físico e online

Loja física também é digital. Essa é a conclusão da Nike sobre o atual momento do varejo. Para a marca, deixar de lado a disputa entre o universo online e off-line e unificar os canais é a melhor saída para transformar a experiência do consumidor.

Afinal, o próprio cliente não enxerga distinção entre esses dois mundos. Muitos estudos mostram que cada vez mais os consumidores pesquisam na internet enquanto estão decidindo comprar na loja física. Para eles, é normal ver um produto na loja física, pesquisar informações na internet, checar valores no e-commerce e por aí vai.

Durante a BR Week, Roberto Almeida, diretor de e-commerce da Nike, contou em entrevista ao Diário do Comércio, como a marca trabalha para integrar varejo físico e online. 

Quais são os principais desafios da Nike no e-commerce?

Além da questão cultural de se comprar pela internet, que não está totalmente superada no Brasil, nosso intuito é mostrar como podemos facilitar a vida de nossos clientes. Queremos que o consumidor entenda que podemos dar a ele uma resolução numa plataforma única.

Já do ponto de vista interno, estamos focados em identificar o comportamento do nosso consumidor nos dois ambientes. Ou seja, levar os dados que capturamos no online para o mundo físico e vice-versa, concatenar todo esse material e desenvolver soluções. Não adianta olhar para esses dois universos de forma isolada.

Hoje, nosso maior desafio é ainda separar muito os canais e não ter uma visão completa sobre o consumidor. Entender quem pesquisa no online e compra no físico, e de quem é o mérito. Enfim, descobrir como contabilizar da melhor forma o resultado das vendas do e-commerce e das lojas físicas. Temos que entender qual é a melhor mensagem no momento correto. 

E esse impasse gera algum tipo de impacto nos funcionários da loja física?

De certa forma, sim. A grosso modo, quando analisamos a jornada do cliente fica mais fácil atribuir a compra ao canal em que ela foi realizada. Porém, isso não é 100% verdade. Muitas vezes, um cliente passa horas provando na loja física, sendo bem atendido pelo vendedor e fecha a compra no online porque há mais facilidades de pagamento. No fim, de quem é o crédito da venda? Esse comportamento de começar a pesquisa pelo tablet, dar continuidade pelo varejo físico e finalizar a compra por um desktop é muito saudável para o e-commerce e para o varejo físico.

Um caminho, por exemplo, seria incluir as vendas do e-commerce no resultado das lojas para tentar quebrar a resistência inicial nos times das lojas. Mas é preciso ir além e inserir na cultura da empresa, porque o mais importante é servir o consumidor, independentemente de quem fecha a venda, pois todos saem ganhando.

Além do e-commerce próprio, os produtos da Nike também estão disponíveis em outras lojas virtuais. Como é possível controlar a imagem da marca num ambiente que não é administrado por vocês?

Primeiro é importante deixar claro que não trabalhamos com marketplace. Temos alguns parceiros online que revendem nossos produtos, como Netshoes e Centauro. E isso só é possível com um forte trabalho de relacionamento e parceria, especialmente, com essas contas principais. Temos um time exclusivamente dedicado a cuidar dessas parcerias. Definimos muito bem com quem queremos trabalhar com base em muita pesquisa, avaliação e comunicação para que sejamos associados a outros nomes que também seguem o que acreditamos ser melhor para a marca.

Como a Nike tem trabalhado a lealdade dos clientes à marca no e-commerce?

A lealdade é um ponto que tem sido muito questionado. Nós não acreditamos nisso cegamente, pois precisamos conquistar nossos clientes todos os dias. A concorrência cresceu, as facilidades são inúmeras e o assédio ao consumidor é constante. Nosso desafio é o de encantar o cliente dia a dia para que sejamos sempre a melhor escolha. Sem dúvidas, temos uma marca forte, produtos inovadores e um serviço de experiência que queremos aperfeiçoar ainda mais, mas somente tradição não basta. 

FOTO: Divulgação

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas