Mais de 9 mil lojas são abertas na capital paulista em 5 meses

Número total de estabelecimentos comerciais ativos na cidade subiu de 181,6 mil, em dezembro de 2021, para 190,7 mil em maio. Sebrae-SP dá dicas para que eles prosperem

Fátima Fernandes
01/Jul/2022
  • btn-whatsapp

De dezembro de 2021 a maio deste ano, foram abertos 9.116 estabelecimentos comerciais na cidade de São Paulo. O número total de lojas ativas subiu de 181.626 para 190.742, ou 5%.

Na comparação com o mesmo mês do ano passado, são 21.636 lojas a mais e, com dezembro de 2020, são 29.746 a mais.

Em dezembro de 2020 havia 160.996 lojas ativas na capital paulista e, em dezembro de 2021, 181.626.

Os números são do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica da Receita Federal e foram levantados por Fábio Bentes, economista da CNC (Confederação Nacional do Comércio).

Como a maior parte dessas empresas são micro e pequenas, tudo indica que pessoas que perderam o emprego durante a pandemia, diz Bentes, correram para abrir um negócio.

A PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua) confirma. De dezembro de 2021 a maio deste ano, o número de empregadores no país subiu 6,5%.

SETORES

De acordo com os dados de pessoa jurídica da Receita Federal, a expansão do número de lojas foi puxada por um setor essencial, o varejo de gêneros alimentícios.

O número de lojas deste setor subiu 5,9%, de 36.982 para 39.146, de dezembro do ano passado a maio deste ano. São, portanto, 2.164 lojas a mais na cidade de São Paulo.

O comércio de informática e comunicação é o segundo que mais cresceu em número de lojas ativas, 5,8%, de 11.940 para 12.630.

No setor de vestuário, calçados e acessórios, a expansão foi de 5,7%, com 1.705 estabelecimentos a mais na cidade. O número passou de 29.891 para 31.596.

O setor de farmácias e perfumaria elevou o número de lojas de 11.732 para 12.305, ou 573 lojas a mais no período. E o de material de construção, de 17.534 para 18.164, ou 630 a mais.

No ambiente atual, com inflação e juros em alta, maior endividamento das famílias e economia com baixo crescimento, a pergunta que fica é se essas novas empresas vão se sustentar.

MORTALIDADE

Relatório do Sebrae de 2020 que avaliou a “Sobrevivência das Empresas Mercantis Brasileiras” revela que a taxa de mortalidade de empresas do comércio é de 30% em cinco anos.

De cada 100 empresas que abrem no setor, portanto, 30 desaparecem em até cinco anos. Considerando todos os outros setores de atividade do país, a taxa é menor, de 23%.

Em outra pesquisa de campo feita entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, com cerca de 3 mil empreendedores, o Sebrae buscou identificar o perfil deles e as razões para o fim dos negócios.

De acordo com o levantamento, 41% dos empreendedores que abriram um negócio eram funcionários de empresas privadas e 37%, autônomos sem empresa constituída.

Eles tinham alguma experiência ou conhecimento do ramo de atividade em que entraram? 73% dos entrevistados com empresa aberta responderam que sim.

Dos empreendedores que já haviam fechado o negócio, 67% informaram que sim.

PLANO DE NEGÓCIO

Eis aí um ponto que exige atenção de quem quer abrir um negócio, de acordo com Carolina Fabris, coordenadora de pesquisa do Sebrae-SP.

Antes de abrir uma empresa, diz ela, é preciso montar um plano de negócio, conhecer os fornecedores, os concorrentes, as mercadorias. Se não, a possibilidade de mortalidade é alta.

Outro ponto importante, diz ela, é o relacionado aos custos de produtos e serviços.

O levantamento do Sebrae identificou que, no caso das empresas abertas, 85% dos entrevistados dominavam a planilha de custos e, no caso das fechadas, 74%.

A procura por fornecedores de qualidade e preços estava no radar de 87% dos empreendedores de empresas abertas e de 78% daqueles com empresas encerradas.

O aperfeiçoamento de produtos para atender às necessidades dos clientes era preocupação de 92% dos empresários com empresas abertas e de 78% daqueles com empresas fechadas.

“Se a sua empresa está aberta, preste atenção ao mix de ações de marketing, inovação, perspectivas financeiras, que são os pilares para os pequenos negócios”, afirma.

Controlar fluxo de caixa, atrair clientes e inovar processos, de acordo com Carolina, têm de estar na ordem do dia das empresas de qualquer tamanho.

As orientações do Sebrae- SP para os empreendedores parecem básicas, mas quando alguém perde o emprego e precisa se virar para ter renda, diz ela, não se pensa em planejamento.

“A pessoa começa a fazer bolo, entra numa rotina, ficando sem tempo para planejar o negócio. Buscar um momento para organizar a empresa faz toda a diferença no longo prazo”, diz.

Em um ambiente econômico desfavorável, como o de agora, todo o cuidado na gestão do negócio se torna ainda mais importante.

Sondagem do Sebrae-SP feita em maio mostrou que a inflação tem sido problema para 82,5% dos microempreendedores individuais (MEIs) e para 67,6% dos pequenos empresários.

Os itens com maior pressão de custos, de acordo com eles, são combustíveis, energia elétrica, matérias-primas e mercadorias para revenda.

O Sebrae-SP possui escritórios para orientação dos pequenos empreendedores em quase todos os municípios do Estado, além de cursos on-line. O telefone de contato é 0800 5700-800 e o site, www.sebrae.com.br

LEIA MAIS: Lojas voltam a ser ocupadas no Bom Retiro e no Brás

 

IMAGEM: Fábio D' Castro/DC

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas