Conheça os gatilhos de consumo da geração Z

Compras planejadas, no espaço virtual e não-emocionais dão o tom do comportamento dessa parcela da população, que de certa forma veio para transformar a cultura de consumo

Mariana Missiaggia
02/Ago/2022
  • btn-whatsapp

Diferentemente de gerações passadas que planejavam passar horas dentro de um shopping aos fins de semana para relaxar, a geração Z (nascidos entre 1995 e 2015) construiu um padrão de consumo diferente.

Nascidos em um mundo já conectado pela internet e cercado por tecnologia, sobretudo por dispositivos móveis, essa geração é muito influente nas decisões de suas precedentes e sucessoras.

Compras planejadas, no espaço virtual e não-emocionais dão o tom do comportamento dessa parcela da população, que de certa forma, veio para transformar a cultura de consumo de vez.

Segundo relatório da MarketingCharts, banco de dados de marketing americano, 87% dos pais de família tomam suas decisões de compra influenciados por seus filhos - especialmente para jantar fora, eventos e passeios.

A realidade é que as técnicas de vendas da década passada já não entregam mais os mesmos resultados para esses nativos digitais, que são os protagonistas do avanço do e-commerce.

Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) mostram que esse público já corresponde a 30% da população do planeta.

Veja a seguir alguns gatilhos de consumo da geração Z:

PROVA SOCIAL

Uma geração que encontra tudo o que precisa on-line e por meio de suas conexões sociais consegue em um instante descobrir e comprar os produtos que atendem às suas necessidades e desejos.

Com seus hábitos completamente expostos na rede, surge um fenômeno em que as pessoas começam a copiar as ações de outras em uma tentativa de emular comportamentos em certas situações.

No marketing isso é chamado de social proof, que na tradução para o português quer dizer prova social. A ideia é que quando uma pessoa vai comprar algo on-line, ela normalmente procura por avaliações e recomendações antes de tomar a decisão de realizar ou não a compra.

Uma das formas de prova social mais utilizadas pelas marcas são os depoimentos de clientes. Segundo uma pesquisa feita pela Nielsen, 92% das pessoas vão confiar em uma recomendação de um colega, e 70% das pessoas em recomendações de alguém que não conhecem.

MARCAS QUE TRANSFORMAM

Um estudo conduzido pela HSR Specialist Researchers com o objetivo de identificar empresas que estão construindo relevância junto ao consumidor mostra que das 20 empresas mais lembradas pelos consumidores, as três mais citadas são brasileiras: Natura, O Boticário e Magalu.

A razão disso está ligada à importância que consumidores dão às práticas ambientais, sociais e de governança das marcas.

O recorte de gerações mostra que nove entre dez consumidores, de 18 a 25 anos, priorizam marcas e empresas que transformam - alinhadas a alguma causa social. Além disso, mostra que 40% das crianças de sete a 12 anos já estão envolvidas com reciclagem de lixo.

CONSUMO RESPONSÁVEL

Sem espaço para estereótipos ou rótulos, essa é a geração que mais valoriza a diversidade e inclusão, desejando quebrar os paradigmas das gerações anteriores.

O respeito pela individualidade, assim como a desconstrução dos conceitos predefinidos de gênero, raça, classe e idade são gatilhos importantes para esse grupo, que espera que as marcas se posicionem da mesma maneira.

Segundo o The Retail Institute, 70% dos consumidores da geração Z preferem que os produtos consumidos sejam alinhados às suas crenças pessoais, assim como 66% priorizam itens com propósito em detrimento de marcas de luxo e designs exclusivos.

MENOS IMPULSO, MAIS PLANEJAMENTO

Outra característica importante dessa geração é que ela foi da emoção à razão. Menos motivado por impulsos de consumo, esse grupo preza pela liberdade de escolha.

Essa substituição de impulsos consumistas por decisões mais ponderadas e embasadas em referências acontece por uma inversão de protagonismo: em vez do mercado, é o comportamento dos consumidores que entra em foco.

Um bom exemplo vem do mundo da moda. Por muito tempo os desejos de compra foram pautados pelo mercado. Ou seja, produtos e serviços eram ofertados em pouca variedade de tamanhos e estilos - cabia aos consumidores aceitá-los ou não.

Esse modelo de negócio mantinha o consumidor em uma posição passiva: a indústria pautava o varejo que pautava o consumidor.

A pesquisa Tendências Globais do Consumidor 2030, da Mintel, aponta que o comportamento desses consumidores da geração Z é permeado por movimentos minimalistas e mais planejados que os incentivam a questionar a real necessidade da posse material.

 

IMAGEM: Freepik

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas