Confiança do consumidor melhora em junho, mas permanece na área do pessimismo

O Índice Nacional de Confiança (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostra que as finanças pessoais e o emprego ainda são preocupações dos consumidores

Redação DC
24/Jun/2022
  • btn-whatsapp

A confiança do consumidor avançou um ponto na passagem de maio para junho, alcançando os 92 pontos, segundo o índice Nacional de Confiança (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O indicador avança, mas lentamente. Desde fevereiro de 2020, período que marca o início da pandemia no Brasil, ele se encontra na zona do pessimismo.

Pelos critérios do INC, que varia de zero a 200 pontos, os resultados abaixo dos 100 pontos denotam pessimismo por parte do consumidor. No ano de 2022 o indicador avançou apenas quatro pontos, saindo de 88, em janeiro, até o patamar atual.

 


 

A confiança oscila significativamente de acordo com a classe social. O que o indicador da ACSP mostra é que o consumidor de baixa renda, das classes D/E, está muito mais pessimista. Entre esse grupo, o INC registrou queda de um ponto entre maio e junho, recuando aos 58 pontos, patamar bem inferior à média do indicador (92 pontos).

A baixa renda foi o único grupo que registrou queda na comparação mensal. Nas classes A/B, o INC avançou de 101 para 102 pontos. Na classe C variou de 103 para 104 pontos.

A boa notícia é justamente a classe C, que se mostra a mais otimista. Esse grupo concentra mais da metade da população, segundo dados do IBGE - que são usados como parâmetro para o INC.

“O cenário econômico do país afeta a confiança do brasileiro, mas o que mais determina é a situação individual”, diz Ulisses Ruiz de Gamboa, economista da ACSP. “Hoje, a maior parte da população da classe C possui ocupação formal ou informal, já está recuperando a renda que perdeu com a pandemia e ainda pode contar com recursos oriundos do saque do FGTS, da antecipação do 13º salário de aposentados e pensionistas e do Auxílio Brasil”, complementou.

SITUAÇÃO FINANCEIRA

Pelo estudo da ACSP, a percepção negativa dos consumidores em relação à situação financeira e ao emprego continuou presentes em junho. Do total de entrevistados para o INC, 48% consideram estar mal financeiramente. Sobre o emprego, 32% não se sentem seguros e temem ficar desempregados.

A percepção negativa em relação à situação financeira atual continua a refletir na menor disposição do consumidor em adquirir itens de maior valor, como carro e casa, e bens duráveis, como geladeira e fogão, diminuindo também, em junho, a predisposição de fazer investimentos.

O INC mostrou que não há mais do que 32% de brasileiros que se sentem dispostos a comprar um veículo, a mudar de residência ou a comprar algum produto da linha branca.

 

IMAGEM: Ricardo Padue/AFG

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas