Com apelo de alimentos saudáveis, a Superbom atravessa as fronteiras

A quase centenária empresa, fundada pela Igreja Adventista, projeta aumentar em 8% seu faturamento exportando para novos mercados

Italo Rufino
05/Mai/2016
  • btn-whatsapp
Com apelo de alimentos saudáveis, a Superbom atravessa as fronteiras

A Superbom é uma empresa quase centenária. Fundada em 1925, a companhia teve origem como uma pequena indústria de suco de uva ligada à Igreja Adventista do Sétimo Dia. A unidade, instalada na zona sul da capital paulista, então, cresceu e prosperou. 

Os alimentos e bebidas que eram produzidos para suprir as demandas nutricionais da dieta restritiva dos membros da instituição religiosa se tornaram referência em alimentação saudável – e uma tradição entre as famílias paulistanas.

A criança estava com tosse ou dor de garganta? A sabedoria popular recomendava mel com limão. E é bem provável que o mel escolhido tenha sido o de embalagem redonda de vidro com tampa dourada – o da Superbom.

Atualmente, a Superbom possui uma gestão de alto nível, emprega cerca de 250 funcionários possui duas fábricas – uma em São Paulo e outra em Santa Catarina. 

A produção das 11 linhas de produtos funciona a todo vapor.

Anualmente, são produzidos mais de 150 toneladas de mel, 3 milhões de litros de suco e 1,1 milhão de toneladas de cevada – substituto saudável do café. 

LEIA MAIS: Pequenas e médias empresas ganham força no jogo global

Parte da produção da Superbom atravessa as fronteiras e é vendida mundo afora. Em 2012, a empresa iniciou um plano de expansão com investimentos de 13 milhões de reais – o que aumentou a capacidade produtiva em quatro vezes. 

Um dos mercados prioritários foi a China. Prateleiras de redes de supermercados, empórios e lojas de Xangai, Guangzhou e Shenzen, ricas cidades chinesas, expõem o suco de uva da Superbom. 

Em 2014, foi a vez de desembarcar na Alemanha. Após a análise de um estudo da Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Superbom constatou que o mercado alemão possuía carência de produtos provenientes de cana-de-açúcar e com alto teor de ferro em sua composição. 

“Enxergamos uma oportunidade para vender o melado de cana tradicional do Brasil”, diz Ivan Márcio de Souza, gerente de vendas da Superbom. 

Hoje, as vendas na Alemanha são responsáveis por 3% do faturamento da Superbom. A empresa não detalha o valor das receitas. Apenas informa que é de médio porte, com faturamento inferior a 90 milhões de reais. 

MELADO DE CANA DA SUPERBOM, PRODUTO É O CARRO-CHEFE DA MARCA NA ALEMANHA/DIVULGAÇÃO

ATUAÇÃO NO MERCOSUL

A mais recente missão internacional da Superbom foi no Paraguai. Durante dois anos, a empresa analisou as prateleiras dos mercados e o perfil do consumidor no país vizinho.

SOUZA, GERENTE DE VENDAS DA SUPERBOM: EM BUSCA DE OPORTUNIDADES NA ÁSIA, EUROPA E AMÉRICA DO SUL/DIVULGAÇÃO

Houve duas constatações. Primeiro, muitas marcas brasileiras atuam na região e são respeitadas pelo consumidor.

Segundo, e mais importante, havia poucos produtos vegetarianos e veganos processados no varejo paraguaio.

De acordo com Souza, o paraguaio vegetariano se alimenta, basicamente, de produtos in natura por falta de mais opções de produtos. 

Após dois anos de estudos, visitas técnicas, escolha de centro de distribuição e mapeamento de pontos de venda, a Superbom estará no mercado paraguaio a partir de junho.

De acordo com estimativas, a exportação para o país do outro lado da Ponte da Amizade deverá somar 8% ao faturamento nos próximos anos.

Não foi fácil estabelecer negócios no Paraguai devido à burocracia. Para iniciar as vendas, foi preciso traduzir e registrar no consulado paraguaio inúmeros documentos, como fichas técnicas de produtos e certificados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Para evitar a bitributação – pagar o mesmo imposto mais de uma vez – a empresa teve de apresentar a Recetia Federal e outros orgãos governamentais uma série de documentos que comprovavam que parte da produção seria vendida fora do país.

Neste caso, o produto é isento de alguns impostos, como o ICMS, pois tributos similares serão cobrados no país onde o produto será vendido.

Além do Paraguai, a empresa atende outros países da América do Sul, como Chile e Colômbia. 

LOJA DE FÁBRICA DA SUPERBOM NA ZONA SUL PAULISTA/DIVULGAÇÃO

VEJA MAIS: Pequena empresa paulista ganha o mundo com itens inusitados

SEM CRISE À VISTA

A recessão econômica brasileira quase causou impacto negativo na Superbom. Quase, pois a empresa adotou a estratégia inovação  para superar os tempos conturbados na economia brasileira. 

Para oferecer produtos mais competitivos no mercado interno e externo, a empresa investiu em pesquisa e desenvolvimento.

Todos os itens passaram por uma revisão de composição. Houve diminuição nos teores de sódio, açúcar e gordura. Ao mesmo tempo, fibra e proteína ganharam mais espaço nas fórmulas. 

A empresa também lançou novos produtos, como o Vegan Chesse, um queijo feito a partir de óleo de palma, amido de batata, cenoura e abóbora.

Há no mercado Vegan Chesse nos tipos provolone, prato e muçarela. Outra novidade é a linha de latinhas de néctar com menos calorias, batizado de Fit.  

LINHA VEGAN CHESSE: LANÇAMENTOS EVITARAM QUEDA NO FATURAMENTO

A venda dessas novidades ajudou a empresa a equilibrar as receitas, uma vez que os produtos tradicionais registraram uma ligeira queda. 

“O foco é desenvolver novos produtos e manter a empresa como referência em alimentação saudável”, afirma Souza. 

A Superbom também protegeu suas margens de exportação quando considerou um dólar mais baixo que a cotação atual para precificar os produtos no exterior e estabelecer o retorno sobre investimento. 

“Durante a fase de planejamento, nossas estimativas de receita para 2015, 2016 e 2017 não consideraram o valor especulativo da moeda”, diz Souza. “O dólar poderá recuar ao patamar de três anos atrás e, mesmo assim, nossa margem estará protegida.”

SAIBA TAMBÉM: Chocolate com gostinho brasileiro pelo mundo

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas