Babies R Us, a queridinha das mães, desembarca em São Paulo

A gigante americana de produtos infantis aposta no mercado premium no Brasil e planeja expansão com 20 unidades próprias e 60 franquias em cinco anos

Cibele Gandolpho
02/Mai/2024
  • btn-whatsapp
Babies R Us, a queridinha das mães, desembarca em São Paulo

Conhecida pelos brasileiros que viajam para os Estados Unidos como uma das lojas que fazem parte do circuito dos enxovais e amada pelas mamães de plantão, a Babies R Us fez sua estreia no Brasil em novembro do ano passado, com uma loja no shopping Outlet Premium, no Rio de Janeiro, e agora acaba de aterrissar em São Paulo.

Há alguns dias, a marca de mais de 30 anos inaugurou sua primeira unidade paulista, no shopping Outlet Premium de Itupeva. E na segunda quinzena de maio, abrirá as portas no Outlet Premium Imigrantes, em São Bernardo do Campo.

O objetivo da Babies R Us é ter mais cinco lojas em 2024, chegando também à Bahia e Brasília, e alcançar dez lojas próprias até o fim de 2025. Em cinco anos, a meta é abrir um total de 20 unidades, totalizando um investimento de R$ 10 milhões.

A partir do segundo semestre, a marca ainda pretende lançar um sistema de franquias para chegar a cidades de menor porte, com uma previsão de 60 unidades franqueadas em cinco anos.

Com isso, o mercado de itens para bebês ganha um player internacional de peso na concorrência.

Desde que a WHP Global adquiriu a Toys R Us, em março de 2021, a presença global da marca cresceu mais de 50%, segundo a companhia. Agora, a WHP está focada em expandir a marca Babies R Us nos EUA e no exterior com a abertura da primeira loja flagship global, preparando o terreno para o lançamento nacional nos EUA e crescimento contínuo internacional.

Atualmente, conta com mais de 100 lojas e e-commerces em 20 países. A concessão do uso de marca no Brasil aconteceu a partir de uma parceria com a varejista Ragabesh & Co., companhia que opera outras 35 lojas de varejo em todo o Brasil e assinou um contrato de licenciamento exclusivo com a WHP Global.

O acordo prevê o comércio varejista físico, com planos de abrir aproximadamente 20 lojas independentes da Babies R Us no país. A Ragabesh & Co. já opera as marcas Aeropostale e Nautica no Brasil.

Yehuda Shmidman, presidente e CEO da WHP Global e Toys R Us, destaca que essa expansão faz parte da estratégia geral de desenvolver os negócios da Babies R Us e Toys R Us em mercados em crescimento, tanto existentes quanto novos, como a América Latina.

“Ficamos entusiasmados em nos associar à Ragabesh para trazer essa querida marca familiar para o Brasil pela primeira vez, tornando-a ainda mais acessível aos nossos leais clientes globais.”

A segunda unidade da marca em São Paulo é prevista para abrir as portas na segunda quinzena de maio no recém-inaugurado Outlet Premium Imigrantes, em São Bernardo do Campo (foto: Cibele Gandolpho/DC)

 

ALTA DEMANDA

A demanda constante dos pequenos clientes em idade de crescimento faz da moda infantil um mercado promissor para qualquer empreendedor.

Dados da Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) mostram que a moda infantil representa cerca de 16% do setor têxtil e tem um crescimento médio de 6% ao ano no Brasil.

Para o consultor de negócios Josemar Duarte, neste modelo da Babies R Us, a única concorrente mais próxima no Brasil é a Alô Bebê. “O que vemos no mercado são muitas lojas de roupas infantis ou então só de calçados para crianças, outras que vendem apenas acessórios ou só carrinhos.”

E ele completa: “Tudo isso junto, basicamente é só a Alô Bebê quem tem, principalmente em São Paulo. No entanto, a Babies R Us afirma que atuará com um público diferenciado da concorrente. Independentemente disso, o fato é que a Babies R Us entrou em um mercado muito promissor no varejo brasileiro”, avalia o consultor.

ABORDAGEM PREMIUM

De acordo com Diego Turquiai, CEO da Ragabesh, o foco da Babies R Us no Brasil é atuar diferente da concorrente mais próxima. “Vamos operar apenas em shoppings em vez de lojas de rua. Nosso cliente está nos shoppings e estamos em negociação com outros quatro. Alguns estão em conversas mais avançadas e outros em estágio mais embrionários”, diz.

Turquiai revela que os shoppings são o Morumbi, o Anália Franco, o Center Norte e o Eldorado. “Todos eles são focados no nosso público, que quer um produto mais premium, que busca qualidade e algo diferente do tradicional, com maior valor agregado. Nosso objetivo é entrar na ala nova do Center Norte, que ganhou um ar diferenciado.”

As lojas da Babies R Us oferecem 50% do seu portfólio de roupas e confecções em geral, 10% de enxovais, 10% de brinquedos e pelúcias e 30% de itens de puericultura (carrinhos, mamadeiras, chupetas etc).

A gama é formada por produtos importados, mas também é possível encontrar itens de fabricantes nacionais. O padrão de lojas é o tamanho médio, entre 200 e 300 metros quadrados, e os produtos são voltados para crianças de 8 anos.

Outro diferencial é que, assim como nos EUA, as lojas oferecem treinamentos para usar alguns produtos disponíveis e aconselhamento sobre maternidade ou paternidade, por meio de especialistas.

No Brasil, as lojas de até 300 metros quadrados vendem roupas e confecções em geral, enxovais, brinquedos e pelúcias e itens de puericultura

 

TOYS R US

Fundada em 1996, a Babies R Us nasceu como uma derivação da gigante Toys R Us, companhia criada em 1948 exclusivamente para a venda de brinquedos. Em 2017, a empresa decretou falência e fechou mais de 1.500 lojas.

Em 2021, teve seu controle adquirido pela WHP e, hoje, conta com operações de lojas em 33 países. O Brasil é o primeiro a receber lojas do grupo na América Latina, no caso, apenas com a Babies R Us.

“Estrategicamente, decidimos não trazer a Toys R Us para o Brasil. O mercado de brinquedos é muito sazonal. Só se vende bem no Dia das Crianças e no Natal e o resto do ano é bem desafiador. Além disso, já há grandes marcas no País que fazem bem essa cobertura e seria mais complicado. Tudo isso junto acaba inviabilizando essa operação”, afirma o diretor.

Turquiai reforça que a bandeira é forte e tem a capacidade de atrair grandes fornecedores. Além disso, já está em planejamento o desenvolvimento de uma linha própria que será fabricada por fornecedores no Brasil, incluindo a Ragabesh, no setor de vestuário.

“Lá nos EUA, a Babies R Us tem marca própria, mas, por enquanto, não há planos de trazer isso via importação”, conta. A rede também terá em breve um e-commerce no Brasil.

CARTER’S

A rota da compra de produtos para bebês para as mães que viajavam para os EUA ainda incluía a famosa Carter's. Em 2020, a marca firmou contrato com a Riachuelo de licença por dez anos para operação exclusiva no Brasil, com compromisso de abrir, no mínimo, mais 60 lojas no País. Em 2024, a Carter’s já ultrapassou essa meta.

Desde 2012, o Brasil fazia parte dos planos da Carter’s, mas a rede americana sempre adiou por conta dos custos elevados para abertura de lojas por aqui. Em 2015, criou espaços dentro da Riachuelo para a venda de seus produtos. Foi um sucesso.

 

IMAGENS: divulgação

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Os impactos da IA no mercado de trabalho