Ajustes fiscais e polarização: os desafios do próximo presidente

Terceira via inexistente e um Congresso ainda mais dividido devem dificultar a correção de rumos na economia e na política, segundo os integrantes do Comitê de Avaliação de Conjuntura da ACSP

Karina Lignelli
27/Mai/2022
  • btn-whatsapp

O próximo presidente do Brasil deve enfrentar situações adversas, como um Congresso polarizado e a necessidade de realizar R$ 250 bilhões em ajustes fiscais, gerando impactos profundos na política e na economia.  

Esse é o ambiente pós Eleições 2022 visualizado por empresários e economistas que participaram da reunião do Comitê de Avaliação de Conjuntura da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) na última quinta-feira (26).   

Com o cenário eleitoral definido e polarizado pelos dois principais candidatos, o grupo de "rejeitados" acaba funcionando como barreira para o surgimento de uma terceira via competitiva - mesmo que muitos estejam torcendo por ela, disse um representante dos bancos de desenvolvimento presente à reunião.  

A pedido da ACSP, os nomes dos empresários e economistas participantes dessa reunião não são divulgados.   

Em resumo, qualquer que seja o resultado, o perdedor terá muitos votos, fazendo a sociedade continuar extremamente dividida, gerando o efeito colateral nefasto de aumentar uma divisão que será refletida no Congresso - e que pouco ou nada deverá colaborar para efetuar correções de rumo necessárias. 

Mesmo com aumento nas projeções de crescimento do PIB de 0,5% para 1,5% em 2022, e da taxa de desemprego menor em um ponto percentual, a escalada da inflação e o avanço da taxa Selic para conter os preços continuam a preocupar. 

"Já ficou claro que o BC não tentará debelar totalmente a inflação neste ano, vai espalhar as altas taxas no próximo", afirmou. "Seja quem for o representante eleito, deverá enfrentar condições para lá de adversas." 

A previsão de um "ataque" de juros pelo Fed (Banco Central norte-americano) para conter a inflação, a China que, pela primeira vez em 30 anos não cumprirá suas metas de crescimento, e a Europa sem soluções visíveis no horizonte para o conflito Rússia-Ucrânia, são outras questões que devem espirrar no futuro mandatário. 

"Quem iniciar em 2023 encontrará ajustes fiscais na casa de R$ 250 bilhões, um desafio bastante significativo para o eleito", disse. "Como o Congresso vai reagir, e como o resto do mundo estará é que deve ditar o que será possível fazer". 

Mesmo incertas, as decisões do próximo presidente obviamente devem gerar impactos. O especialista reforçou que, a despeito de questões geopolíticas, o Brasil consegue ser um canteiro de obras e investimentos maior que a China - o que poderia impulsionar o mercado em geral, gerando divisas e empregos. 

Ele destaca que, se o atual presidente for reeleito, não usará fundos do BNDES, mas do mercado de capitais e da iniciativa privada para ocupar essa necessidade. Já o ex-presidente Lula vê a questão "com outra intensidade."

"Somos nós contra fatos e desafios que virão por aí, mas vamos em frente." 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Abr
Mai
Jun
IGP-M
1,1466
1,1072
1,1070
IGP-DI
1,1353
1,1056
--
IPCA
1,1213
1,1173
--
IPC-Fipe
1,1226
1,1227
--

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
-2,1%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
1,5%
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas