Vida e Estilo

Memória| Dalton Suares Pires (1964-2018)


Diretor-superintendente da Distrital Ipiranga da ACSP, Pires (com a família, na foto), iniciou a carreira como office-boy, foi diretor de multinacional e um bem-sucedido empreendedor


  Por Redação DC 06 de Junho de 2018 às 19:02

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Dalton Suares Pires tinha como prioridade na vida o bem-estar de sua família e das comunidades nas quais atuava –e eram várias.

Diretor-superintendente da Distrital Ipiranga da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Pires faleceu na terça-feira (05/06)aos 53 anos. Ele deixa a esposa Valeria Eiras Pires e dois filhos, Felipe e Juliana.

Gestor multifacetado, Dalton trabalhou na subsidiária brasileira da sueca Ericsson Telecomunicações, onde começou como office-boy e chegou a ser alçado a diretor de projetos. 

Há quase 30 anos, empreendia em três negócios na capital paulista. Na zona norte, no bairro Parque Edu Chaves, era sócio do Colégio Nossa Senhora das Graças, escola que mantinha ao lado da irmã e educadora Darléia.

No bairro da Mooca, era sócio do bar e pizzaria Empório 167, junto com o amigo Wanderley Munhoz. A parceria dos dois ia além dos negócios. A dupla costumava fazer viagens de motocicletas para explorar cidades do interior paulista. “Dalton era um cara muito sincero e integro”, diz Munhoz.

Seu terceiro negócio era a Padaria Lar Sol, localizada no Ipiranga. E foi no tradicional bairro da zona sul que Pires passava boa parte da semana. Ele era membro do Rotary Clube de São Paulo Ipiranga e membro do Conselho Gestor do Parque da Independência.

Comunicativo, era o responsável por organizar encontros de negócios na Distrital Ipiranga da ACSP. A terceiro edição do evento, que aconteceu em março passado, reuniu 49 empreendedores e tinha como objetivo, além de estreitar os laços entre os empresários, promover o desenvolvimento econômico da região.

"Ele pertencia a uma nova geração de empresários, de mentalidade moderna e dinâmica", diz Giacinto Cataldo, vice-presidente e co-coordenador das sedes distritais da ACSP. Despontou como liderança quando a entidade buscava renovação. 

"Tínhamos muita esperança em sua liderança, pois além da experiência acumulada em multinacional, era empreendedor bem-sucedido e uma unanimidade como pessoa."

Foi na gestão de Pires, iniciada em 2017, que a distrital inaugurou um posto da Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem (CBMAE), que visa facilitar conflitos por via extrajudicial e possibilita aos empresários mais eficiência do que a justiça comum.

“É mais um serviço disponível não só para o associado, mas para todos os comerciantes paulistanos”, disse Pires na época da inauguração da CBMAE, reforçando o compromisso e preocupação com toda a comunidade de empreendedores.

Sergio Yamada, vice superintendente da Distrital Ipiranga, lembra que foi Pires quem o incentivou a fazer parte do corpo executivo da ACSP. “Estávamos sempre lado a lado nas atividades da associação”, diz Yamada. “Perdemos uma pessoa delicada e querida por todos”.

Em nota divulga nesta quarta-feira, 6/06, e assinada pelo atual diretor-superintendente Antônio João Santo, a entidade lamentou o falecimento de Pires.

“A imagem que nos fica é de sua gentileza, educação e dedicação a tudo e a todos, além de sua postura moral e ética, difícil de serem encontradas no mundo atual”, diz o comunicado.

Pires foi sepultado nesta quarta-feira (6/06), no cemitério Chora Menino, em Santana, com a bandeira da ACSP. No ato, foi homenageado por João Bico.

IMAGEM: Álbum de família