Vida e Estilo

4 marcas que transmitem seus ideais pelas lojas físicas


Veja como algumas empresas de diferentes setores investem no formato de loja para reforçar o posicionamento da marca


  Por Mariana Missiaggia 15 de Março de 2021 às 18:47

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


Vender um estilo de vida e não produtos é a nova revolução do varejo. Acompanhando comportamentos e observando o surgimento de pequenas empresas de formas muito criativas, a postura (e o visual) de muitos negócios vai ganhando novos prismas e significados.  

Grandes marcas tentam cada vez mais replicar o conceito de proximidade para que os consumidores se sintam bem acolhidos. Para impulsionar esse movimento, esses negócios têm ampliado sua comunicação através da identidade visual no ponto de venda.

A LIBERDADE DE EXPRESSÃO DA B+TUBE COSMETIC

Com pouco conteúdo voltado para os consumidores adolescentes, as marcas de cosméticos estão mais focadas em capturar um púbico mais maduro. Mas, na China, a abertura da primeira loja da B+Tube Cosmectic, em Changsha, vai no sentido oposto desse movimento. 

Focada em uma experiência digital e muita interação por meio de inteligência artificial, a marca chinesa traz algo bem fora dos padrões da indústria tradicional de cosméticos voltada para a geração Z (nascidos entre a segunda metade dos anos 1990 e o início do ano 2010).

Como o propósito da marca é focado em liberdade de expressão, a ideia foi montar um ambiente em que os adolescentes se reconheçam e se sintam à vontade para compartilhar o que quiserem.

Para interagir com esses consumidores de uma forma atual também no mundo fisico, a loja é um espaço para os adolescentes criarem conteúdos sociais enquanto fazem compras numa jornada bem alinhada entre o on e o offline. Cada área hospeda um centro educacional para os clientes aprenderem e experimentar os produtos por meio de tutoriais e vídeos. 

Com layout ultramoderno, o espaço é cheio de cores, formas e texturas num ambiente com apelo de loja de colecionáveis. Os produtos de beleza da B+Tube são de skincare e maquiagem.

BRINCADEIRA DE COMPRAR DA CAMP

Com diferentes temáticas, que mudam a cada mês e muitos espaços imersivos, a varejista americana Camp Store exibe lojas que parecem esconder a venda de seus brinquedos à primeira vista e é exatamente essa a proposta da marca: vender brincadeiras.

Escorregadores, beliches, pistas de corrida, paredes brilhantes, pista de dança e até mesmo um lago artificial ambientam uma das lojas nova-iorquinas, localizada no Brooklyn.

Os espaços são totalmente abertos ao público e podem ser explorados sem nenhum custo, com paredes, mesas e o chão repletos de brinquedos, que, evidentemente, estão disponíveis para compra.

Cozinhas infantis, bonecas costuradas manualmente, livros educativos, kits de artesanato feitos por pequenos empresários passam por uma curadoria e são outro diferencial da loja neste mercado saturado. Há também uma programação de atividades com ingressos que custam de U$ 20 a U$ 30, com oficinas de artesanato, atividades físicas, como ioga infantil e pistas de obstáculos, e entretenimento, com peças infantis e musicais ao vivo. Enquanto toda essa interação acontece, os pais podem escolher se participam ou tomam um café no local.

A LEVEZA DA REGINA MIRACLE - SECOND SKIN

Localizada no City Plaza Mall, em Hong Kong, a loja da Regina Miracle - Second Skin é uma espécie de caixa retangular de 73 metros quadrados em tons de nude totalmente impecável - exatamente a ideia que a marca quer remeter a seus produtos.

A construção da loja é toda inspirada em uma lingerie perfeita e leve, revelando a ideia de uma segunda pele - são peças lisas e sem detalhes para se fixar bem no corpo. Essa proposta se reflete bem no espaço físico. Todas as superfícies da loja são feitas com painéis de revestimento de madeira e piso de carvalho claro - um tom de base quente que não só garante uma atmosfera aconchegante, mas também cria a delicadeza proposta pelo que se vende naquele ambiente. 

Uma série de manequins em sequência forma uma espécie de galeria com a coleção de assinaturas da marca. Com um espelho estrategicamente instalado na parte de trás da loja, esta sequência sutilmente curva parece estender-se indefinidamente à medida que se entra. Cada manequim é o ponto focal dentro de uma coluna de exibição que organiza uma exposição completa de um produto.

Os detalhes são demonstrados por manequins rotativos, a bandeja de madeira exibe calcinhas combinando e as gavetas abaixo de cada silhueta armazenam outras cores e tecidos disponíveis para o modelo exibido.

Diante do desafio de enfrentar uma tipologia de loja comumente desordenada, colorida e repetitiva, a RM revolucionou o setor com um ambiente discreto, porém muito enriquecedor para a experiência de compra de lingerie, e também transmite os ideais da marca sobre inovação, leveza e conforto para sua clientela moderna.

A EXTRAVAGÂNCIA DA DRIES VAN NOTEN STORE

De forma inesperada durante a pandemia, o designer de moda Dries Van Noten abriu a sua primeira loja conceito nos Estados Unidos, em 2020. Localizada em Los Angeles, o conceito é totalmente inusitado: 16 quartos em 8,5 mil metros quadrados - a maior loja de varejo do designer belga no mundo.

Apelidado de "laboratório criativo", o conceito combina o varejo tradicional com obras de exposições de um grupo diversificado de artistas, designers e artesãos internacionais e baseados em Los Angeles.

Conhecido por sempre trabalhar em cima de referências vanguardistas e usar uma estética típica de estampas, o estilista é especialista em harmonizar elementos populares com trabalhos mais nobres gerando resultados glamourosos e extravagantes. 

A escolha dessa loja, segundo o designer, é algo possível de ser feito apenas em Los Angeles - o local é composto por duas casas separadas por um vasto estacionamento. São dois andares de loja principal, sendo o térreo para as coleções femininas e o piso superior para os homens.

No outro espaço menor, chamado de "Casinha", o conceito é mais aberto com folhagens verdejantes fora da casa e muitos arranjos de flores de corte para passar a ideia de que acabaram de ser colhidas - um toque botânico muito a ver com o estilo de Dries Van Noten.

Os visitantes são recebidos em um mundo de contrastes brilhantes e acentuados com uma justaposição lúdica de arquitetura, mobiliário, cor e perspectivas. As paredes são brancas ópticas e os pisos de concreto cinza. Em lugares, elementos estruturais são aumentados pelo amarelo vívido. Um piano Grand Steinway e um grande sofá amarelo marcam o branco da entrada.

O intuito é abrir o espaço para que pianistas - de jovens membros da academia de música a músicos mais experientes e até clientes - se apresentem.

Lustres enormes, murano e outros materiais nobres contrastam com toda a mobília 100% reaproveitada. Elementos criados pelo designer de móveis francês, Johan Viladrich, também são destaque em todas as casas. Seu processo para projetos arquitetônicos gera desperdício zero.

A ideia é evidenciar o uso de materiais pré-existentes, muitas vezes industriais, e enxergá-los em móveis existentes para ampliar a funcionalidade e criar um novo programa de curadoria independente e em constante evolução.






Publicidade






Publicidade









Publicidade