Tecnologia

Ferramenta na web conecta cliente às lojas de material de construção


A plataforma Arquitecasa se propõe a organizar obra, identificar custos e ajudar o consumidor a escolher a melhor oferta no comércio do bairro


  Por Fátima Fernandes 21 de Outubro de 2015 às 23:58

  | Editora ffernandes@dcomercio.com.br


Reformar a casa ou construir uma nova requer, além de fôlego financeiro, uma boa dose de paciência e disposição para a escolha de materiais e a busca de orçamentos.

Quem já viveu essa situação sabe que, se não for bem planejada, uma obra pode resultar em problemas que geram gastrite, em vez de momentos de prazer por estar perto de residir em um ambiente melhor e mais aconchegante.

Foi pensando na dor-de-cabeça que costuma dar uma reforma ou uma construção que o arquiteto Marcelo Brigido, um apaixonado por edificação e por tecnologia, decidiu criar uma ferramenta na web para minimizar os transtornos que envolvem uma obra.

A plataforma Arquitecasa, criada há cinco anos, a partir de uma incubadora no Cietec (Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia), se propõe, justamente, a organizar a obra, identificar custos de materiais e ainda aproximar clientes de prestadores de serviços e lojistas que convivem em uma mesma região.

Não há nada pior para o consumidor do que começar uma obra com uma estimativa de gasto e, em determinado momento, verificar que o valor orçado não dá nem para chegar à metade. Ainda mais em um momento de crise.

“A ferramenta tenta transformar a caixa preta que é a execução de uma obra em uma caixa de cristal, ao oferecer ao consumidor o máximo de informação que ele precisa para reformar ou construir”, afirma Marcelo Brigido, sócio e fundador da Arquitecasa.

Por meio de um simulador, o consumidor detalha a obra que pretende realizar. Com essas informações, a plataforma consegue fornecer a quantidade de material e a lista de serviços que ele precisa contratar.

O próximo passo é identificar os profissionais capazes de fazer o serviço e enviar a lista de produtos para as lojas de material de construção próximas da obra.

Depois, é só o cliente aguardar os orçamentos - são no máximo cinco- e escolher os fornecedores. “Já fomos chamados de 'Easy Táxi da construção'”, afirma Brigido.

Easy Táxi é um aplicativo, assim como o 99Taxis, que permite ao consumidor chamar um táxi pelo celular. O serviço localiza os carros que estão mais próximos do cliente, assim como a Arquitecasa localiza a melhor opção de loja de bairro para o cliente.

O consumidor tem acesso gratuito ao serviço oferecido pela plataforma Arquitecasa. Ele só precisa fazer um cadastro.

O lojista interessado em disputar a venda de materiais de construção paga de R$ 7 a R$ 13 para poder enviar cada orçamento para o cliente.

A plataforma trabalha com um sistema de crédito. Cada orçamento enviado consome um crédito.

Se o lojista decide comprar um pacote com três créditos, paga R$ 39, isto é, R$ 13 por crédito. Se comprar 129 créditos, o máximo permitido pela plataforma, paga R$ 7 por envio de cada orçamento.

No momento em que o consumidor economiza até com alimentação, qualquer ferramenta capaz de levar o cliente para a loja tem sido muito bem vinda para os comerciantes. O setor de construção tem enfrentado uma das maiores crises de sua história.

Em geral, diz Brigido, o consumidor tende a pensar nos home centers quando precisa de material de construção.

“O que essa plataforma pretende é mostrar para o cliente que, muitas vezes, na esquina da casa dele, ele consegue ser bem atendido e, de forma mais rápida, do que em uma grande loja”, afirma.

A plataforma também ajuda o lojista a identificar as demandas dos consumidores, fazendo com que ele reveja constantemente o mix de produtos que mantêm na loja.

“Pode ser que o cliente vá numa grande loja para comprar louças sanitárias, mas cimento, areia, cal e tijolos ele pode adquirir perto de casa”, diz Brigido.

"O grande desafio da plataforma é identificar quem quer fazer reformas e construir", diz Gustavo Carrer, consultor do Sebrae SP.

No interior de São Paulo, antes de as plataformas existirem, os lojistas de material de construção costumavam contratar empresas para identificar caçambas nas portas das residências. Agora, esses comerciantes contam com a ajuda da web.

Luziane Bianco, sócia-proprietária do Nosso Lar, depósito de material de construção localizado no bairro do Rio Pequeno, decidiu utilizar a plataforma neste ano, depois de ver o faturamento cair pela metade na comparação com 2014.

“Os negócios realizados na plataforma ainda não representam muito do nosso faturamento, mas é fato que são as pequenas reformas que estão fazendo o comércio de material de construção andar”, diz Luziane.

O depósito Nosso Lar, segundo afirma, está preparado para atender reformas e construções de clientes localizados em um raio de dez quilômetros.

Luziane costuma manter em estoque materiais hidráulicos, elétricos e ferramentaria. São produtos que podem ser entregues para o cliente em um dia, após feito o pedido.

No caso de encomendas de pedra, cimento, areia e blocos de concreto, o depósito necessita de dois dias para transportar os produtos até obra, já que são adquiridos de fornecedores.

Cerca de mil lojistas já estão cadastrados na plataforma Arquitecasa. O fluxo de visitantes é da ordem de 40 mil usuários.

Nem todos, porém, utilizam a ferramenta para organizar e identificar profissionais e lojistas de materiais de construção. Muitos visitantes estão atrás de conteúdos, que também são oferecidos pela plataforma.

A Arquitecasa não quer ficar só no mundo virtual. Brigido está testando um modelo de loja para dar orientação técnica pessoalmente ao consumidor que quer reformar ou construir.

A primeira loja acaba de ser aberta na região próxima da Serra da Cantareira, zona Norte de São Paulo. O local foi escolhido, segundo Brigido, por concentrar alta demanda por reformas residenciais.

Se o modelo der certo, diz ele, é bem provável que ele o negócio cresça por meio de franquias.

Outras plataformas já perceberam que é um bom negócio ajudar o consumidor a realizar uma obra.

A espanhola Habitissimo, criada em 2009 para ajudar a conectar a oferta e a demanda de reformas em residências pela internet, informa que já se consolidou como a maior comunidade online de obras e reformas da Espanha e também no Brasil.

A Habitissimo conta com cerca de 270 mil profissionais registrados e já postou mais de um milhão de orçamentos online.

“O que essas plataformas fazem é juntar todos os envolvidos em um negócio em um mesmo lugar, como se fosse uma espécie de shopping center. Agora, para se tornar relevante, elas precisam ser conhecidas e lembradas pelos consumidores. E, para tanto, é preciso investir muito em ações de comunicação”,  afirma Maurício Morgado, presidente do Centro de Excelência em Varejo da FGV.

O Mercado Livre, como foi a primeira empresa de tecnologia a oferece soluções para compra, venda e pagamento pela internet, diz ele, não precisou fazer grandes investimentos para se tornar conhecida.

A OLX já teve que fazer mais desembolsos para estar na mente dos consumidores.

Tudo indica que a Arquitecasa vai ter apoio financeiro em breve. A plataforma atraiu o interesse de fundos de investimento estrangeiros, que já viram no negócio um potencial de crescimento no Brasil.

Foto: Thinkstock