Tecnologia

Facebook removeu 2,2 bilhões de contas falsas


Companhia estimou também que pelo menos 25 em cada 10 mil visualizações de conteúdo violam as regras sobre violência e conteúdo adulto não permitidos pela plataforma


  Por Estadão Conteúdo 23 de Maio de 2019 às 16:32

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O Facebook anunciou nesta quinta-feira (23/05), que removeu 2,2 bilhões de contas falsas entre janeiro e março de 2019 um número recorde para a empresa e que é ligeiramente menor que os 2,38 bilhões de usuários mensalmente ativos que a rede possui em todo o mundo.

Os números fazem parte de um relatório global lançado nesta quinta-feira pela companhia: a partir de agora, os dados serão revelados trimestralmente pela empresa e incluirão outra de suas plataformas públicas: o Instagram.

LEIA MAIS:Facebook vai banir conteúdos ligados à supremacia branca

"A saúde da rede social é tão importante quanto os balanços financeiros que soltamos, então faremos isso com a mesma frequência", disse Mark Zuckerberg. "Entender a presença de conteúdo danoso ajudará empresas e governos a desenhar sistemas melhores para lidar com o tema."

Os dados chamam a atenção por serem substancialmente superiores aos números mais recentes divulgados pelo Facebook: entre outubro e dezembro de 2018, a empresa desativou 1,2 bilhão de contas falsas.

No mesmo período em 2017, foram 694 milhões de contas. Os valores, claro, não são adicionados à conta total de usuários do Facebook, uma vez que os perfis falsos são desativados antes mesmo de serem adicionados à rede social, explicou o vice-presidente de análise de dados (analytics) do Facebook, Alex Schultz.

A empresa divulgou ainda que estima que 25 em cada 10 mil visualizações de conteúdo (vídeos ou fotos) violem as regras de violência e conteúdo adulto, não permitidos pela empresa na plataforma desses, entre 11 e 14 a cada 10 mil visualizações são de nudez ou conteúdo de atividade sexual.

O Facebook comentou também que está melhorando sua capacidade de detectar vendas ilegais dentro da plataforma, como drogas ou armas no primeiro trimestre, os sistemas da empresa conseguiram detectar 83,3% das violações de vendas de droga e 69,9% das de vendas de armas de fogo, sem necessidade de moderação humana.

O Facebook acrescentou que "tomou atitudes" com relação a 19,4 milhões de peças de conteúdo no 1º trimestre deste ano destas, 2,1 milhões passaram por "apelação" e 453 mil retornaram à rede após uma justificativa dos usuários ter sido aceita pela rede social.