Tecnologia

E os sonhos de Rodrigo decolaram como as pipas


O presidente do Mercado Bitcoin.net morou em Paraisópolis durante a infância. Hoje, comanda uma empresa que fatura mais de R$ 1,5 milhão


  Por Thais Ferreira 20 de Maio de 2016 às 14:31

  | Repórter tferreira@dcomercio.com.br


Por volta de sete anos, Rodrigo Batista – atual presidente do Mercado Bitcoin.net – adorava empinar pipa. Ele não era o único. Todas as crianças de Curvelo, cidade no interior de Minhas Gerais, onde nasceu, tinham o mesmo passatempo.

Ainda menino, ele percebeu uma oportunidade. Começou a produzir o brinquedo com as próprias mãos e vendia para os colegas.

O empreendedorismo entrou muito cedo na vida de Batista. Ele sempre teve apoio de seus pais, que mesmo sem muita instrução, incentivavam as ideias mirabolantes do filho.

Aos 11 anos, a família se estabeleceu na periferia de São Paulo. Ele morou no Parque Santo Antonio, que já foi conhecido como o bairro campeão de mortes, no Jardim Herculano e em Paraisópolis, segunda maior favela da cidade.

Foi nessa época que despertou seu interesse por tecnologia. “Sempre fui curioso, mas não tinha acesso a esse mundo”, afirma Batista. “Sempre quis fazer jogos de videogame, mesmo não tendo a menor ideia do que era programação.”

Na adolescência, ganhou uma bolsa numa escola de informática, onde ficou sabendo do vestibular para a escola técnica federal.

Durante quatro meses, estudou 16 horas por dia para ser aprovado. A concorrência era grande: 60 candidatos por vaga, mas conseguiu. Foi o primeiro passo que mudaria a vida de Batista.

Após o curso técnico em processamento de dados, ele se deu bem em outra prova difícil: o vestibular para administração na USP. Nesse período, trabalhou para grandes empresas, como Itaú, Santander e Morgan Stanley.

Mas a ideia de montar seu próprio negócio continuava latente. Mesmo com as mudanças dos últimos anos, mantinha dentro de si o menino que vendia pipas. Como grande parte dos empreendedores, teve algumas tentativas mal sucedidas ou que não foram para frente.

LEIA MAIS: O negócio da ex-boia-fria ganhou fermento e não para de crescer

MERCADO BITCOIN.NET

A primeira vez que Batista teve contato com os bitcoins – moeda digital criada para trocas financeiras online, que não possui nenhum órgão regulador – foi por meio de uma matéria de revista. Na época, ele achou a ideia interessante.

Pouco tempo depois, decidiu pesquisar mais sobre o assunto e comprou seus primeiros bitcoins. Em 2012, o valor da moeda era o equivalente a R$ 20. Hoje vale acima de R$ 1,75 mil. A cotação da moeda muda constantemente. 

Junto com o sócio Gustavo Chamati, que foi seu colega de faculdade, ele começou a procurar oportunidades de negócio. Nesse período, cogitaram abrir uma loja no interior, mas decidiram montar uma empresa para negociar bitcoins.

A oportunidade surgiu quando descobriram que o primeiro site brasileiro de bitcoins estava com problemas de segurança e as moedas virtuais dos clientes (que valem dinheiro real) foram perdidas. 

Os riscos eram enormes: o site tinha graves problemas de reputação, os bitcoins eram pouco conhecidos no Brasil, a chance de problemas jurídicos era alta porque a moeda não é controlada por nenhuma instituição e o negócio já começava com uma grande dívida.

Em maio de 2013, contrariando toda a lógica, os sócios decidiram comprar o site e constituir uma empresa.

Para refazer o Mercado Bitcoin.net, tiveram de investir primeiro em segurança. Para tanto, contrataram a empresa que produz o sistema de segurança dos principais bancos no país.

LEIA MAIS: Dinheiro que não se pode tocar, olhar e sentir. Entenda as bitcoins

Eles também restabeleceram a imagem da empresa, ressarcindo os clientes que haviam perdido dinheiro durante a antiga gestão. 

Em três anos, a empresa aumentou seu faturamento e multiplicou o número de clientes. De dois mil cadastrados, eles saltaram para 130 mil. O faturamento no ano passado foi de R$ 1,5 milhão – e a expectativa é de crescer 40% em 2016.

Batista atribuiu essa virada na empresa a uma equipe complementar. “Não dá para empreender sozinho”, afirma. “É fundamental encontrar pessoas que tenham a mesma vontade, mas que pensem diferente”. Hoje, além de Gustavo, ele tem mais dois sócios: Maurício Chamati e Marcos Carvalho, ambos formados em computação.  

Além do Mercado Bitcoin.net, Batista é sócio em outros dois negócios: o 1bloco.com – que presta consultoria para empresas interessadas em usar a tecnologia do banco de dados do bitcoin para criar novos produtos –  e a 99 Pizzas, aplicativo de entrega de pizzas que não exige nenhum aparato tecnológico dos restaurantes.  

 

EQUIPE DO MERCADO BITCOIN: ROBERTO MATOS, MARCOS CARVALHO, RODRIGO BATISTA, GUSTAVO E MAURÍCIO CHAMATI. 

BITCOIN: UM BOM NEGÓCIO?

Apesar de gerar muita polêmica na internet, o bitcoin ainda é pouquíssimo usado no mundo físico. São raríssimos os estabelecimentos comerciais que aceitam a moeda virtual.

Ela é mais utilizada em compras em e-commerces, principalmente de grandes empresas de tecnologia, como Microsoft e Dell. No mundo, a moeda virtual movimenta cerca de R$ 10 bilhões.

Batista acredita que o que falta para a popularização do bitcoin é uma ferramenta que facilite seu uso, até que seu uso se torne imperceptível.

“Sempre faço a associação com a música digital: quando o mp3 foi lançado era restrito a certos grupos”, afirma Batista. “Com a invenção dos tocadores de mp3, iPod e posteriormente do Spotify, esse uso se popularizou. Acredito que algo similar irá acontecer com os bitcoins”.

Hoje, o uso da moeda virtual está restrito a dois nichos: os que enxergam o bitcoin como um ativo financeiro – e realizam compras e vendas para lucrar –, e os profissionais freelancers, como designers e programadores, que fazem trabalhos para empresas de outros países e são pagos com a moeda virtual.

De acordo com Batista, os bitcoins são o jeito mais rápido e barato para transferir dinheiro do exterior.