Tecnologia

Comerciantes dão dinheiro para clientes que visitarem lojas


C&C, Marisa, Chilli Beans e Uatt? estão adotando um novo aplicativo, criado por Eduardo Moreira (foto), que promete aumentar o fluxo de consumidores dentro dos estabelecimentos


  Por Thais Ferreira 03 de Novembro de 2015 às 08:00

  | Repórter tferreira@dcomercio.com.br


O movimento nas lojas está fraco. As vendas do comércio paulista recuaram 15,4% em agosto em comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com o boletim ACVarejo, da Associação Comercial de São Paulo.  A retração acumulada no ano é de mais de 6%.

E não são apenas os números. Num breve passeio pelos grandes centros comerciais é fácil perceber que alguns estabelecimentos estão mais vazios e que outros estão fechando as portas. 

É em momentos como este que o uso de novas tecnologias pode ser um importante aliado dos comerciantes. Há diversas ferramentas que podem aprimorar a gestão e as vendas. Mas um novo aplicativo promete ir além: trazer os consumidores para dentro das lojas.

MAPA COM AS LOJAS PARTICIPANTES DO PIGGYPEG/Foto: Divulgação

CLIENTES PARA DENTRO, CRISE PARA FORA

O nome da ferramenta é PiggyPeg (uma mistura das palavras porco, em inglês, e o verbo pegar). O app começou a funcionar seis meses atrás. E foi concebido pelo empresário Eduardo Moreira, sócio do banco Pactual e um dos fundadores do Banco Brasil Plural. 

Entre um empreendimento e outro, ele começou a estudar sobre o varejo.

Certo dia, Moreira se impressionou com um dado: o movimento médio em pequenas lojas é de 15 pessoas durante os dias de semana. 

O número  fica ainda mais baixo em momentos de crise. “Fiquei me perguntando como esses comerciantes sobrevivem com um fluxo tão baixo de clientes”, afirma Moreira. 

Assim surgiu a ideia de um aplicativo que fosse capaz de levar mais consumidores para dentro desses estabelecimentos.

Moreira decidiu criar um método que fosse efetivo. Para isso, seu aplicativo deveria quebrar com a lógica tradicional, que se baseia no seguinte esquema: as lojas contratam agência de publicidade para criar campanhas para chamar a atenção dos clientes. As agências anunciam em veículos da mídia. E dessa forma, o público-alvo é atingindo. 

A lógica do aplicativo é a de que os comerciantes peguem o dinheiro que gastariam em publicidade e repassem diretamente para os consumidores, por meio do PiggyPeg. 

“Somos uma mistura de nota fiscal paulista, porque remuneramos os consumidores, com o marketing digital do Google Ads ”, afirma Moreira

O app oferece uma pequena remuneração diretamente para os clientes que visitarem as lojas. O consumidor não precisa comprar algum produto para ganhar o dinheiro. Basta comprovar que compareceu no estabelecimento, fazendo a leitura de um QR Code que é colocado em um ponto visível dentro da loja. 

COMO FUNCIONA

Os comerciantes baixam o aplicativo do PiggyPeg for Business e preenchem o cadastro com as informações da empresa. Para começar utilizar, é preciso realizar uma transferência bancária: o valor mínimo é R$ 50.00 – e o aplicativo cobra uma taxa que varia entre 10% e 15%. 

Os próximos passos são escolher o valor que será dado para os visitantes – as recompensas costumam variar entre R$ 1 e R$ 10,00 –, a loja que deve ser visitada, o perfil de consumidor e o período do dia. 

Os lojistas também têm a opção de enviar uma mensagem para o cliente, assim que a captura do QR Code for realizada. Dessa forma, é possível anunciar diretamente no celular dos visitantes. A mensagem pode chamar a atenção de novos produtos ou mostrar promoções. 
   
Quando o aplicativo começou a funcionar eram 30 estabelecimentos cadastrados. Hoje, são 300 lojas dos mais diversos segmentos, como as redes de lojas Marisa, Chilli Beans, C&C e Petz. Mas há também pequenos comerciantes. 

“O valor mínimo é de R$ 50. Considero um preço acessível para negócios de todos os portes”, afirma Moreira. “Além disso, o valor só é utilizado se o cliente realmente comparecer na loja. Do contrário, os créditos permanecem com o lojista.”

Já há mais de 100 mil pessoas cadastradas no aplicativo – quase 45% estão na cidade de São Paulo. A maioria é formada por homens entre 18 e 35 anos. 

COMERCIANTES

Algumas franquias da Uatt?, rede de lojas especializadas em presentes, já utilizaram o aplicativo. O PiggyPeg foi usado principalmente para atrair mais consumidores durante o Dia das Crianças. O público-alvo da marca é de mulheres e adolescentes entre 14 e 25 anos.  

“Tivemos um bom resultado, durante a semana do Dia das Crianças. Conseguimos converter cerca 30% dos clientes que chegaram por meio do aplicativo”, afirma Cristiano Pereira, proprietário da loja. “Pretendemos continuar usando para aumentar as vendas durante a Black Friday e o Natal.” 

É importante enfatizar que o  PiggyPeg não garante que o visitante irá comprar algum produto. “Prometemos aumentar o fluxo e não, necessariamente, as vendas. Mas alguns comerciantes que mediram que a taxa de conversão tiveram bons resultado”, diz Moreira. 

Há lojistas, no entanto, que afirmam o contrário. Um comerciante de roupas femininas, que não quis ter o nome revelado, usou o aplicativo durante quatro meses e não viu nenhum resultado.

“Achei a ideia fantástica, mas, na prática, não apresentou nenhuma consequência direta nas vendas”, diz o lojista. “Entraram poucas pessoas na loja por meio do aplicativo e, mesmo assim, vieram apenas atrás do prêmio. Acho que o PiggyPeg precisa de mais divulgação para ter efetividade”.