Tecnologia

Brasil tem mais de um dispositivo móvel para cada habitante


Pesquisa realizada pela Escola de Administração da FGV também apontou que pela primeira vez houve queda na venda de computadores


  Por Thais Ferreira 14 de Abril de 2016 às 14:14

  | Repórter tferreira@dcomercio.com.br


O uso de dispositivos móveis está crescendo no Brasil. Basta olhar em volta para ver que quase todo mundo está conectado o tempo todo.

A pesquisa anual do uso de TI no Brasil, realizada pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/ EAESP), comprova o que todos já desconfiavam: hoje, há mais smartphones e tablets do que pessoas no país. A média é 1,2 por habitante.

Somados são 244 milhões de dispositivos móveis conectáveis. Os smartphones são a maioria nesse grupo: há seis desses celulares para cada tablet.

Em ritmo menos acentuado, o número de computadores também está crescendo. Até o fim do ano, o Brasil terá 166 milhões de computadores (desktops, notebooks e tablets) em uso.

De acordo com o estudo, em 2015, foi registrada pela primeira vez uma queda de 30% na venda de computadores. Mesmo com esse declínio, a expectativa é de que haverá um computador para cada habitante no Brasil em três anos.

EMPRESAS

A recessão econômica não diminuiu os gastos e investimentos com tecnologia.  Eles representaram 7,6% do faturamento líquido de médias e grandes empresas, mesmo número encontrado em 2014.

“O uso de TI nas empresas continuou crescendo, pouco, mas consistente, mesmo com um cenário muito adverso e uma queda acentuada no consumo pessoal”, afirmou Fernando Meirelles, coordenador da pesquisa e professor da FGV/EAESP.

O setor de serviços é o que mais gasta com TI (10,9%), seguido pela indústria (4,6%). O comércio apresentou a menor porcentagem - apenas 3,5% de seu faturamento.

No ano passado, as empresas gastaram com tecnologia uma média de R$ 32.400 por funcionário.Uma despesa que se justifica para Meirelles. De acordo com professor da FGV,em indústrias de capital aberto, durante a última década, para cada 1% a mais de gasto e investimento em TI, resulta em  aumentou 7% no lucro dois anos depois. 

Foto: Thinkstock