Tecnologia

Aplicativo facilita negociações entre lojistas e fornecedores


Como o app Luckro, criado por Jorge Kowalski (na foto), ajuda a reduzir a falta de produtos nas prateleiras. E quase de graça.


  Por Thais Ferreira 14 de Março de 2016 às 10:00

  | Repórter tferreira@dcomercio.com.br


Jorge  Kowalski trabalhou por 20 anos na área comercial de grandes empresas, como Heineken, Coca-cola e Danone.

Durante esse período, ele esbarrou com dificuldades de comunicação entre os fornecedores, varejistas, marcas e vendedores. Seja no Brasil, seja na Argentina, sua terra natal.

Por um lado, os fornecedores nem sempre tinham acesso aos comerciantes que buscavam seus produtos ou não havia tempo hábil para falar sobre todo o portfólio da empresa.

Por outro, os pequenos varejistas não conseguiam ter acesso às informações, como preços e descontos especiais, com a mesma eficiência das grandes redes.

Há ainda as marcas que encontram dificuldades de expandir para novos pontos de venda, devido ao tamanho continental do país.

Outro problema comum a toda essa cadeia é a ruptura do varejo, ou seja, a falta de produtos nas gôndolas no momento da compra. Algo que prejudica tanto os varejistas, quanto os fornecedores.

De acordo com uma pesquisa da Cosin Consulting, nos países desenvolvidos a ruptura é 8% em média – o que representa mais de US$ 6 bilhões em vendas perdidas. No Brasil, o índice é maior e chega a 15%.

Na tentativa de resolver esses entraves e inspirado pelo sucesso dos aplicativos de táxi, Kowalski decidiu criar o app Luckro.

O estalo veio durante uma tarde de verão na praia de Copacabana, quando o empresário tentava tomar uma água de coco.

O vendedor estava sem o produto e não conseguia fazer contato com o fornecedor. Kowalski perguntou o que ele faria se existe um aplicativo para tornar essa comunicação mais eficaz.

O dono da barraca de coco imediatamente perguntou onde ele poderia fazer o download. Nessa hora, o empresário percebeu o potencial de sua ideia.

LEIA MAIS: Por que a recessão na indústria fortalece o varejo nas negociações

COMO FUNCIONA

O modelo escolhido foi o das redes sociais, mas com adaptações para o uso comercial. Os usuários criam posts – similares ao do Facebook – e podem receber respostas de diversas empresas.

Por enquanto, existem seis modalidades de comunicação. No “Ache e Compre”, por exemplo, os varejistas anunciam os produtos que querem comprar e a mensagem chega diretamente aos fornecedores do setor. Outra categoria é a “Falta de Produto” que ajuda a informar rapidamente quando há uma ruptura.

Uma função importante é a “Eu Fiz”, que dispensa a ida de funcionários da marca até o varejista para verificar se certos acordos estão sendo cumpridos.

Um exemplo é quando são oferecido descontos ou brindes para o melhorar o posicionamento dos produtos nas gôndolas. Essa ferramenta permite que o usuário fotografe as prateleiras e mande diretamente para o representantes da marca, dispensando o deslocamento até o local.

“A ideia é que todas as pontas da cadeia tenham mais eficiência", afirma Kowalski."É benéfico para compradores que querem melhorar negociação e para vendedores que desejam aprimorar a qualidade e a agilidade do atendimento.”

EXPERIÊNCIA

O aplicativo – que consumiu investimento de R$ 2 milhões para ser desenvolvido– foi lançado no final do ano passado com cerca de mil usuários ativos. A meta da empresa é atingir 50 mil cadastrados até o fim de 2016.

Nessa primeira etapa, foram convidados varejistas dos setores de supermercados, bares, hotéis e restaurantes para testarem o aplicativo. Nos próximos meses, serão integrados novos grupos.  

Umas das empresas que está utilizando o app é a Éricon, que vende produtos de higiene para estabelecimentos comerciais, indústrias e ambientes hospitalares.

Por enquanto, o aplicativo é utilizado para melhorar o fluxo de trabalho com os comerciantes que já são clientes da empresa.

Futuramente, Eduardo Freire, gerente comercial da Éricon, quer expandir o uso da ferramenta. “Estamos satisfeito com o uso do Luckro. Pretendemos continuar usando e vamos utilizá-lo para prospectar novos clientes”, afirma.

O app está disponível para iOS e Android e é gratuito para varejistas, fornecedores, vendedores e marcas. Mas para fazer posts especiais, publicitários ou ofertas é cobrado o valor mensal de R$ 1. Um preço baixo quando comparado com os custos de deslocamento de funcionários até os pontos comerciais.