Tecnologia

Afiliação, mais uma forma de lucrar com o Instagram


Recurso permite a associação de lojas do Instagram a perfil pessoal, e não somente ao perfil comercial, como antes. Isso possibilita a usuários selecionados realizarem vendas diretas a seus seguidores


  Por Mariana Missiaggia 07 de Outubro de 2021 às 06:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


Anunciado há poucos meses, o recurso "Afiliado" disponibilizado pelo Instagram possui funcionalidades que podem tanto ser exploradas por empresas como por pessoas físicas que tenham acima de dez mil seguidores.

De forma geral, a novidade permite que criadores de conteúdo sejam linkados a marcas de forma mais simples, sem a existência de um contrato ou parceria, com remuneração feita por comissão pelas vendas que incentivarem. 

Ainda em fase de testes, o recurso já aparece nas configurações de alguns usuários brasileiros - o que sugere que esse tipo de remuneração está próximo de ser liberado. 

Um exemplo disso é que foram acrescentadas datas específicas no calendário de monetização do Instagram para afiliados dentro da rede. Essa modalidade foi anunciada há alguns meses, e ainda não ganhou muita força, como aconteceu com os selos das lives e os anúncios do IGTV. 

Esse formato está liberado para influenciadores digitais e criadores de conteúdo que tenham acima de dez mil seguidores, ou para perfis de contas comerciais que podem "taguear" em suas publicações produtos afiliados de outras marcas.

Isso significa que contas de pessoas físicas podem divulgar produtos em cima de seus posts e que empresas podem negociar esse tipo de postagem com seus parceiros influenciadores. 

Cada vez que um seguidor clica nesse produto e fecha uma compra por meio do aplicativo do Instagram, a conta que encaminhou essa transação ganha uma comissão de vendas por ter divulgado e repassado determinado produto para seus seguidores num movimento de afiliação.

Como todo processo do Instagram, é preciso que a marca autorize a utilização de produtos nessas postagens. Ou seja, esse "tagueamento" não está disponível para todos os usuários e depende, necessariamente, de uma aprovação da marca. 

Na parte superior da publicação afiliada de um criador de conteúdo com um produto marcado aparecerá o aviso “qualificado para comissão”, para que as pessoas saibam que, ao comprar o produto, estarão apoiando o criador de conteúdo.

Outro ponto importante para que uma empresa habilite essa ferramenta é a necessidade de ter o "Instagram Shopping" configurado - um catálogo de produtos com preços e formas de pagamento dentro do modelo disponibilizado pelo Instagram.

A partir daí, os usuários podem solicitar esse "tagueamento" para as marcas e assim que aprovada, essas postagens serão liberadas. Se o seguidor clicar, conhecer e comprar, o usuário recebe sua comissão.

Embora essa forma de monetização ainda não tenha uma data específica para ser ativada no Brasil, o Instagram já acrescentou essa forma de monetização na planilha de pagamentos. No décimo dia de cada mês, o aplicativo soma todas as vendas "tagueadas" nos posts e realiza o pagamento.

Tudo para, mais uma vez, juntar marcas e influenciadores para produzir conteúdo e promover vendas dentro da plataforma.

Nesse sentido, a modalidade é uma boa ferramenta para pequenas marcas e microinfluenciadores que ainda não possuem caixa para fechar grandes parcerias, conseguirem fazer seus primeiros contatos comerciais e ser exibido para outros perfis crescendo dentro da rede.

LEIA MAIS: 

Como ganhar dinheiro com o reels do Instagram?

Como aumentar as views dos stories do Instagram

   

 






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade