Tecnologia

A transformação digital do Walmart não para


Em dois anos, a maior rede de varejo do mundo deve contratar 3,7 mil tecnólogos para desenvolver soluções em inteligência artificial, realidade virtual e robôs (como o da foto, utilizado para verificar prateleiras)


  Por Italo Rufino 29 de Janeiro de 2019 às 08:00

  | Repórter isrufino@dcomercio.com.br


Nos últimos meses, os consumidores têm se deparado com uma novidade nos corredores de 50 lojas americanas do Walmart. A peculiaridade não é um novo produto de encher os olhos e nem uma promoção de agradar o bolso, mas sim um robô que anda para cima e para baixo pelo ponto de venda.

Em formato de torre, com cerca de 1 metro de altura e dotado de rodinhas, o robô possui diversas câmeras e sensores. Sua função é detectar erros nas prateleiras. Ele examina se há produtos prestes a acabar ou posicionados em lugares errados e verifica etiquetas de preços e rótulos incorretos. Também identifica bagunças, como embalagens rasgadas e gôndolas sujas de restos de alimentos.

Os robôs informam as adversidades aos funcionários por meio de mensagens num aplicativo, que disponibiliza uma lista de tarefas, com foto e localização do problema.

A transformação digital do Walmart foi abordada por Jeremy King, vice-presidente executivo e chefe de tecnologia (CTO) do Walmart, durante a NFR, congresso de varejo que aconteceu em Nova York na semana passada.

Atualmente, o Walmart é a terceira empresa que mais investe em tecnologia no mundo, posicionada atrás apenas da Amazon e da Alphabet (holding controladora do Google).

JEREMY KING, CTO DO WALMART: TECNOLOGIA FACILITA
INICIATIVAS INVIÁVEIS NO PASSADO

Somente no ano passado, a equipe de tecnologia do Walmart ganhou o reforço de 1,7 mil técnicos -outros 2 mil devem engrossar o time em 2019.

Entre os profissionais procurados estão cientistas de dados, engenheiros de software e designers que trabalharão em nove escritórios, sendo os principais no Vale do Silício e Bangalore, na Índia

De acordo com King, egresso da empresa pioneira do comércio eletrônico eBay, os funcionários se dedicam a desenvolver soluções que utilizam e integram robôs, aprendizado de máquina, realidade virtual, serviços em nuvem, softwares de código aberto e conectividade de lojas, entre outras tecnologias.

A ideia é cada vez mais tornar a empresa omnichannel.

Recentemente, a rede lançou um serviço de devolução de itens vendidos por terceiros, via marketplace, direto nas lojas físicas da marca.

A iniciativa requer grande empenho logístico e de rastreamento de itens. Não há, no Brasil, nenhuma medida parecida.

"Não é que essas coisas fossem impossíveis antes", disse King. "Mas é muito mais simples fazer essas coisas agora."

LEIA MAIS: Na onda do omnichannel, Mormaii reformula sua operação

EXPANSÃO NO E-COMMERCE

Numa transação de 16 bilhões de dólares, o Walmart comprou 77% da Flipkart, uma das líderes do comércio eletrônico da Índia.

Vale lembrar que o país asiático possui 1,4 bilhão de habitantes, porém apenas 35% tem acesso à internet – cerca de 500 milhões, acordo com um relatório da Internet e Mobile Association of India.

Ao mesmo tempo, a Índia vive um momento de efervescência tecnológica, com o surgimento de milhares de startups.

Uma pesquisa da Business Insider mostra que o país terá o maior crescimento em comércio eletrônico do mundo. O salto será de 31% até 2021, em comparação, a média global do mesmo período será de 16%.

WALMART NA ÍNDIA: EMPRESA COMPROU A FLIPKART, UMA
DAS LÍDERES DO ECOMMERCE DA REGIÃO

Além do desejo de abocanhar um vultuoso novo mercado que se abre, a aquisição da Flipkart também servirá para o Walmart integrar o conhecimento em comércio e as tecnologias que rondam a operação da varejista asiática.

Já de olho na nova demanda, o Walmart anunciou, no mesmo mês que comprou a Flipkart, uma parceria estratégica com a Microsoft. O objetivo é acelerar a transformação digital da empresa.

A iniciativa consiste no uso de serviços na nuvem para sustentar iniciativas de aprendizagem de máquina, inteligência artificial e processamento e análise de dados.

De forma prática, as medidas aumentarão a disponibilidade e velocidade do e-commerce Walmart.com, que também poderá lançar recursos com mais rapidez e facilidade.

Na ponta da cadeia, significa que os consumidores poderão economizar tempo durante sua jornada de compra.

O projeto também aumentará a capacidade de uma plataforma de Internet das Coisas, que permitirá reduzir o uso de energia em milhares de lojas nos Estados Unidos, e de um sistema de criação de roteiros logísticos de caminhões utilizados na cadeia de fornecimento.

LIÇÃO DE CASA

Em 2017, o Walmart lançou sua própria incubadora de startups. Batizada de Store No 8, a negócio tem como objetivo desenvolver novas tecnologias para aprimorar o e-commerce, reduzir custos operacionais e melhorar a condição de trabalho dos funcionários.

Ano passado, a empresa lançou um aplicativo para smartphone para melhorar a experiência de compra dos clientes nas lojas físicas.

Com o nome de Store Assistant (Assistente de Loja, em português), o aplicativo permite ao consumidor criar uma lista de compras antes de sair de casa. O app informa a disponibilidade dos produtos nas lojas próximas.

A solução também integra um mapa das lojas. Dessa forma, é possível saber exatamente os corredores e prateleiras onde estão os produtos.

Com a integração dos dados de compra no aplicativo, os clientes sabem quais produtos adquiriu, seja na loja física ou nos canais online. Ele também pode ter acesso a recebidos digitais de suas compras. Com isso, é possível realizar trocas somente apresentando o código de barra direto no smartphone.

A empresa ainda estuda integrar os recursos do aplicativo com aparelhos domésticos inteligentes e criar comando por voz.

IMAGENS: Divulgação