Tecnologia

5 dicas poderosas para vender pelo WhatsApp


O aplicativo é a ferramenta mais rápida e de menor custo para apresentar os seus produtos aos clientes. Mas eles só vão comprar se você souber usar bem essa ferramenta


  Por Mariana Missiaggia 24 de Março de 2016 às 16:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


O WhatsApp deixou há muito de ser apenas um aplicativo de troca de mensagens e se tornou mais uma ferramenta para quem quer divulgar o seu produto de maneira prática e mesmo fechar negócios. 

Instalado nos aparelhos de mais de 47 milhões de brasileiros, trata-se de um serviço que depende apenas de conexão com a internet, eliminando o custo com ligações telefônicas, e possibilidade a troca não só de mensagens escritas instantâneamente, mas também de áudios, fotos e vídeos. As possibilidades são variadas e podem impulsionar os negócios

Lojas, escritórios, empresas e até indústrias ainda não perceberam as oportunidades de negócios que perdem ao deixar de lado a utilização do WhatsApp - ou ainda, por usar incorretamente o aplicativo para efetuar vendas e fidelizar clientes, na opinião de Jaques Grinberg, consultor de vendas independente. 

Ele selecionou cinco dicas para potencializar as vendas com o WhatsApp:

1- EXPLORE TODOS OS RECURSOS DO APLICATIVO COM AGILIDADE

Cerca de 90% dos clientes têm dúvidas após receberem uma propaganda. Seja proativo.
Grave um estoque de áudios com as respostas para as perguntas mais frequentes, como, por exemplo, as relacionadas à apresentação de seu produto e ao serviço de entrega.

Faça vídeos curtos, ou seja, de até 1 minuto mostrando algum diferencial do produto ou o funcionamento dele. O vídeo tem um alcance 500 vezes mais do que um texto. Utilize fotos reais e tenha um profissional preparado e pronto para atender os clientes pelo aplicativo. 

É maior a chance do cliente compartilhar esse conteúdo. Por isso, lembre-se de inserir o nome da sua empresa no meio da mensagem ou na assinatura. 

LEIA MAIS: Na crise, "loja" que vai até o cliente ganha força

2- CRIE UM CANAL DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

Pense na venda como uma consequência. Faça desse serviço uma utilidade para o cliente. Oriente-o sobre horários de funcionamento do estabelecimento e a situação do trânsito na região, por exemplo.

Lojas instaladas em shoppings devem informar os clientes sobre eventos que acontecem no entorno, como a estréia de filmes no cinema, os melhores horários para encontrar vagas no estacionamento e a origem das datas comemorativas como a Páscoa, o Dia do Consumidor, o Dia das Mães e outras.

3- DISPARE APENAS O CONTEÚDO QUE REALMENTE INTERESSA

Enviar mensagens funciona apenas se o motivo for válido e de interesse de quem receberá. Além disso, se o uso é para relacionamento, a mensagem tem que, de alguma forma, parecer personalizada. 
Não crie grupos. É melhor mapear sua lista de contatos, separando os clientes por interesses e gêneros (de acordo com os produtos e serviços que quer divulgar). A lista de transmissão é uma forma rápida e segura de enviar mensagens individuais a um grupo pré-selecionado.

4- INVISTA NAS MENSAGENS

Obedecer às regras de ortografia e sempre revisar a mensagem antes de enviá-la é obrigatório. Isso não significa se comunicar de maneira formal, mas o texto enviado é a sua apresentação, que deve ser sempre associada à qualidade e competência. E isso não vale só para texto, mas também para os áudios e vídeos.

Cuidado com o uso de gírias, “memes”, assuntos e imagens polêmicos entre outros. O objetivo principal do relacionamento por meio do aplicativo é manter o cliente informado, de forma que se sinta estimulado a visitar a loja. Fidelize os clientes por meio de uma interação fácil e ágil.

5- SEJA MAIS DO QUE UM VENDEDOR: UM CONSULTOR

O vendedor coach (ou consultor) não só vende, como também ajuda os clientes a comprarem. Ele transmite informações de interesse de seus consumidores. Quando eles precisarem comprar algo, imediatamente se lembrarão desse vendedor na hora de tomar a iniciativa. 

“Um escritório de advocacia que mantém os clientes informados sobre as mudanças nas leis, e precauções para evitar problemas futuros, certamente será procurado quando o cliente precisar”, diz. 

LEIA MAIS: 7 tendências de inovação para o varejo