Sustentabilidade

Quase 1 bilhão de pessoas no mundo vivem sem eletricidade


De acordo com a ONU, cerca de 780 milhões deste total pode permanecer fora da rede elétrica até 2030


  Por Agência Brasil 05 de Dezembro de 2017 às 13:32

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


Quase 1 bilhão de pessoas no mundo todo vivem sem eletricidade atualmente e estima-se que cerca de 780 milhões delas podem permanecer fora da rede elétrica até 2030.

As informações foram divulgadas nesta terça-feira (05/12) pela Organização das Nações Unidas (ONU) durante a Assembleia Ambiental (UN Environment Assembly - UNEA-3), realizada em Nairóbi, no Quênia.

A ONU afirma que nos últimos anos a situação melhorou porque se proliferaram pequenos sistemas de energia solar distribuída a clientes de baixa renda na África e na Ásia, onde vivem pelo menos 95% da população mundial sem eletricidade.

Também houve avanços significativos ultimamente, como implementações bem-sucedidas de produtos solares com baterias melhoradas, menores custos de capital, financiamento acessível e fácil acesso a esquemas de pagamento por uso.

Com as políticas e regulações corretas, a energia solar descentralizada pode ser fundamental para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentado sobre acesso universal a serviços de energia moderna, acessível e confiável, e a erradicação da pobreza.

As informações fazem parte do relatório Fronteiras, apresentado a líderes políticos e da sociedade civil de todo o mundo, que se reúnem até amanhã (06/12) em Nairóbi com o objetivo de conseguir um acordo para uma "poluição zero".

O compromisso da UNEA-3 é criar consciência e encontrar soluções para o impacto que a poluição tem sobre a vida do ser humano.

A ONU convoca os líderes ambientais para prevenir um dano que ainda é reparável, mas que precisa de ações "urgentes".

FOTO: Thinkstock