Sustentabilidade

Acesso à rede de esgoto não cresce desde 2016


Mais de 90% das casas brasileiras têm um banheiro de uso exclusivo, mas um terço delas (33,7%) não têm escoamento do esgoto por rede geral ou mesmo fossa, de acordo com o IBGE


  Por Estadão Conteúdo 22 de Maio de 2019 às 13:47

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A falta de saneamento e de uma destinação adequada do lixo segue sendo o maior problema das moradias brasileiras, com impacto considerável na saúde da população.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada na manhã desta quarta-feira (22/5), revela que as carências seguem praticamente inalteradas ao longo dos últimos anos.

A situação é pior no Norte e no Nordeste do País. De acordo com os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), mais de 90% das casas brasileiras têm um banheiro de uso exclusivo, mas um terço delas (33,7%) não têm escoamento do esgoto por rede geral ou mesmo fossa - um porcentual que permanece estável desde 2016.

O número, no entanto, é muito mais alto no Norte (78,2%) e no Nordeste (55,4%) e bem mais baixo no Sudeste (11,4%).

Os números de 2018 mostram que o porcentual de domicílios cujo lixo era coletado diariamente por um serviço de limpeza era de 83,0%. Em 7,5% das casas o lixo é queimado dentro da propriedade.

No Norte e no Nordeste, mais uma vez, a situação é pior, ficando abaixo da média nacional: 70,8% e 69,6%.

"O lixo que é queimado na propriedade é um grande problema", diz Adriana Araujo Beringuy, analista do IBGE que apresentou os resultados.

"Ele contamina o solo, afeta as crianças que brincam naquele terreno, seus resíduos vão parar nas valas ou nos rios."

Por outro lado, o porcentual de residências com abastecimento regular de água é alto: 97,5%. Em 85,8% dos casos, a principal fonte de abastecimento era a rede geral de distribuição.

Variações regionais persistem, mas são menores. Mesmo no Nordeste, o porcentual chega a 92,8%.

É mais frequente, no entanto, o abastecimento irregular. A cobertura de energia elétrica no País também é alta. Em 2018 estimou-se que 99,7% das residências possuíam energia elétrica; praticamente todas em tempo integral.

CASAS E APARTAMENTOS

A pesquisa mostrou que o Brasil tem hoje 71 milhões de domicílios contra 69,5 milhões em 2017 - um aumento de 2,2% ou 1,5 milhão de unidades domiciliares.

O maior aumento ocorreu na região Norte (3,1%) e o menor no Nordeste (1,7%). A maioria dos domicílios (86,0% ou 60,1 milhões) é de casas. Apenas 13,8%, ou 9,8 milhões, são apartamentos - embora estes estejam em expansão.

Os domicílios próprios já pagos representam 66,7% (47,4 milhões) do total; e 5,9% (4,2 milhões) eram próprios mais ainda estavam sendo pagos. Domicílios alugados são 18,1% (12,9 milhões) e cedidos são 9,1% (6,4 milhões).

Em relação a 2017 houve um aumento dos domicílios alugados de 5,3% Na grande maioria dos domicílios, 88,2% ou 62,6 milhões, as paredes são de alvenaria com revestimento. A maioria, 77,6% (55,1 milhões), tem piso de cerâmica, lajota ou pedra. A Pnad investigou também a existência de alguns bens de consumo nessas.

A geladeira foi encontrada em quase todos os domicílios brasileiros: 98%, sendo que, em todas as regiões, o porcentual é superior a 90%.

A posse de máquina de lavar apresenta maiores discrepâncias, com média nacional de 65,1%. Os menores porcentuais estão no Nordeste (36,2%) e Norte (42,8%) e os maiores no Sul (85,8%) e Sudeste (77,9%). No Brasil, 48,8% das casas possuem carro, 22,2% têm motocicleta e 11,1% ambos.

POPULAÇÃO JOVEM

A Pnad fez ainda um levantamento sobre os moradores. Segue a tendência de queda da proporção de pessoas com menos de 30 anos: em 2012, elas eram 47,6% da população e, agora, 42,9%.

A população acima dos 30 anos registrou crescimento, atingindo 57,1% no ano passado. A parcela de pessoas com mais de 65 anos representa 10,5% da população.

Outra tendência que se manteve estável foi o porcentual de homens (48,3%) e mulheres (51,7%) na população, que se mantém inalterado desde 2012.

Um fato chamou a atenção dos pesquisadores no quesito "cor ou raça" da população. O número de entrevistados que se declarou branco caiu, enquanto o porcentual de pardos e pretos aumentou.

Para os especialistas, tal alteração estaria relacionada às políticas afirmativas. Neste último levantamento, a população autodeclarada branca representava 43,1% da população, ao passo que a população de pardos correspondia a 46,6% e a de pretos, a 9,3%. Em 2012, esses porcentuais eram, respectivamente, 46,6%, 45,3% e 7,4%.