Sustentabilidade

A AACD necessita de doações de empresas e pessoas físicas


Com um déficit anual de R$ 70 milhões, a instituição utiliza o Marketing de Causa para captar recursos financeiros


  Por Wladimir Miranda 09 de Abril de 2019 às 11:25

  | Repórter vmiranda@dcomercio.com.br


“Se você não tem dinheiro, doe tempo. Se não tem tempo, doe dinheiro”. Este conceito é muito utilizado no Marketing de Causa, uma importante ferramenta para que a sua empresa associe a marca a uma causa ou organização social, gerando benefícios mútuos.

E vale também para pessoas físicas, principalmente quando o que importa é manter a saúde financeira de uma das mais importantes entidades assistenciais do país.

Fundada em 1950, a Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), é uma instituição sem fins lucrativos, que oferece atendimento para a pessoa com deficiência física, desde consultas, exames terapias e cirurgias.

A frase do início do texto tem sido repetida por Edson Brito nos últimos meses. Ele é Superintendente de Marketing, Relações Institucionais e Captação de Recursos da instituição há um ano.

Formado em economia pela Pontifícia Universidade Católica de São (PUC), e pós-graduado em marketing pela Escola Paulista de Propaganda e Marketing (ESPM), ele acumula vasta experiência no mercado do Terceiro Setor.

“O Marketing de Causa produz benefícios, melhora o bem-social, cria posicionamento de marca diferenciado e fortes laços com o consumidor. Funciona ainda para aprimorar a imagem pública da empresa entre autoridades e tomadores de decisões. Além disso, anima o clima interno na empresa, motiva os funcionários e impulsiona as vendas”, afirma.

A AACD tem um hospital, com centros cirúrgico e de diagnóstico, nove centros de reabilitação, com clínicas, terapias, especialidades médicas e uma escola adaptada. Dispõe ainda de cinco oficinas ortopédicas, com aparelhos ortopédicos, meios de locomoção, acessórios.

No Centro de Reabilitação e no hospital, são 830 mil atendimentos por ano. A entidade tem 1.800 funcionários e 1.300 voluntários.

Causas como paralisia cerebral, amputação, lesão encefálica adquirida, lesão medular, mielomeningocele, doenças neuromusculares, má formação congênita, sequela de poliomielite e distrofia neuromuscular são atendidas na AACD.

Desde a sua inauguração, a instituição realizou 20 milhões de atendimentos. Mais de 830 mil, em 2017, ano em que efetuou 6.800 cirurgias e entregou 60 mil produtos ortopédicos.

APARELHO QUE SIMULA A CAMINHADA

Um dos aparelhos mais sofisticados e úteis para a recuperação de crianças e adultos da AACD é o Lokomat. Fabricado pela empresa suíça Hocoma, ele simula a caminhada e ajuda na reabilitação de pessoas com deficiência.

Para a compra e instalação no Brasil, a AACD pagou R$ 1,2 milhão.

Este e outros investimentos, com funcionários, materiais, água, luz e combustíveis, fazem com que as despesas da entidade cheguem atualmente a R$ 330 milhões por ano.

As receitas, procedentes de planos de saúde (R$ 215 milhões) e o Sistema Único de Saúde - SUS – (R$ 45 milhões) totalizam R$ 260 milhões anualmente.

Portanto, o déficit anual é de R$ 70 milhões.

EMPRESAS PARCEIRAS

O Atacadista Assaí, Bradesco, Drogasil, Casas Bahia, Frisco, Hipercard, Nívea, Riachuelo, SBT do Bem, Vivo, Banco do Brasil Seguros e Votorantim já colaboram com a entidade com doações.

Uma das maiores fontes de recursos da AACD é o programa Teletom, transmitido pelo SBT, com 27 horas de programação totalmente dedicadas às doações. É uma maratona televisiva, exibida desde 16 de maio de 1998, sempre no final de outubro.

No Teleton, as despesas com a produção são pagas pela AACD, que fica com todo o dinheiro arrecadado com as doações.

“Todo mundo pode fazer alguma coisa no aspecto social. O mundo não está equilibrado socialmente. Há uma tendência de as pessoas olharem com mais atenção e carinho as empresas que têm um bom trabalho, um posicionamento social”, afirma Edson.

São nove unidades da AACD no Brasil. A do Recife fica com todo o atendimento do Norte e Nordeste, pois é a única da região.

Uma das opções de ajuda é a doação para o bazar que a entidade mantém em sua unidade de São Paulo, na Rua Borges Lagoa, 1505, Vila Clementino, na região Centro-Sul de São Paulo.

Uma das grandes doadoras do bazar é a Riachuelo. O fato de a AACD ficar próxima ao Hospital do Servidor Público colabora para que funcionários e pacientes do hospital comprem os produtos vendidos no bazar.

No site da AACD o interessado (empresas e pessoas físicas) encontra informações para efetuar as doações.

VEJA MAIS VÍDEOS:

Minuto AACD - Mielomeningocele
Inauguração Bazar AACD
Oficina da AACD

IMAGENS: Divulgação