Publicidade

Vendas de fim de ano pedem inovação em meios de pagamento


Dados do Sebrae apontam que pequenos negócios que usam maquininhas de cartão têm melhor desempenho em vendas e faturamento


  Por Redação DC 08 de Dezembro de 2020 às 14:43

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Revendedores, sacoleiras, lojinhas de Instagram ou de garagem... uma série de novos empreendedores surgiram por oportunidade ou necessidade desde o início da pandemia, e esse movimento ajudou a alavancar ainda mais o mercado de meios de pagamento.

Após forte queda no segundo trimestre, marcado pelo início das medidas restritivas a partir de 23 de março, o comércio varejista atingiu os maiores patamares de crescimento dos últimos 12 meses no terceiro trimestre.

Esse resultado refletiu no mercado de meios de pagamentos. Dados da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços) apontam que as transações com cartões de crédito, débito e pré-pagos movimentaram R$ 506 bilhões entre julho e setembro, uma alta de 10% ante igual período de 2019.

No acumulado em nove meses, as operações com cartão movimentaram R$ 1,38 bilhão, ou 5,4% a mais do que no ano passado. Desse montante, a Abecs descontou as transações do Auxílio Emergencial realizadas com cartão de débito, que registraram R$ 35,9 bilhões no período. Quando o montante é somado ao total, o crescimento sobe para 8,1%.

A versatilidade das operações com as maquininhas de cartão levou até à liberação de R$ 10 bilhões em recursos extraordinários para micro e pequenas empresas e Microempreendedores Individuais (MEIs) através do Programa Emergencial de Acesso ao Crédito, popularmente conhecido como Peac-Maquininha.  

Agora, com a proximidade do Natal e a injeção do 13º salário, quem está com o orçamento em dia deve ir às compras. Por outro lado, esse recurso extra também costuma ser usado por quem quer começar o próprio negócio. Com a virada de ano, cresce a procura por novas oportunidades de empreender.

Por consequência, surge um cenário de novos pequenos negócios que precisam aceitar cartão para decolar. Para esses empreendedores, há várias opções de meios de pagamento com cartão para oferecer aos clientes – um detalhe quase tão importante para alavancar vendas quanto lançamentos e promoções.

Os números dão uma ideia disso: levantamento do Sebrae mostra que os pequenos negócios que oferecem ao cliente a possibilidade de pagar com cartão têm melhor desempenho, tanto em termos de vendas (alta de 57%) como de faturamento (55%) comparado às empresas que ainda não trabalham com esse meio de pagamento. 

Esse mercado aquecido e essa demanda crescente por maquininhas é, inclusive, uma oportunidade para empreender por si só. Algumas marcas oferecem parceria para quem deseja surfar junto, revender maquininhas e fazer uma renda extra.

A SumUp, por exemplo, tem um programa de consultores de vendas por todo o Brasil: CLIQUE AQUI E CONHEÇA.

Para trocar e ampliar os tipos de maquininha, ou mesmo adotá-las pela primeira vez, é preciso ficar de olho nas novas opções, como as equipadas com Android, que transformam esses terminais em miniunidades de inteligência de negócio. 

Assim como acontece com os celulares, esses sistemas também permitem a instalação de inúmeros aplicativos. Mas, para optar por um terminal de cartões, é preciso ficar atento a detalhes como a eficiência dos serviços prestados, realizando testes prévios.

Problemas como esse podem, em casos extremos, culminar com a perda da venda. Algumas opções fazem a diferença nesse caso, como as maquininhas da SumUp, que além de funcionarem pelo celular, oferecem conexão via bluetooth ou por wi-fi.

Quem já tem ou quer ter seu próprio negócio também pode aumentar os lucros sendo um consultor autorizado SumUp. É possível ter uma renda mensal de no mínimo R$ 1,5 mil se o consultor vender só uma maquininha por dia, além de contar com suporte especializado, treinamentos gratuitos e premiações. 





Publicidade





Publicidade







Publicidade