Opinião

Volta impossível


O episódio do “Bessias” entrará para a História do país como um dos mais melancólicos, medíocres e ilegais atos já cometidos por alguém no exercício do cargo mais importante do país


  Por Paulo Saab 01 de Agosto de 2016 às 13:56

  | Jornalista, Bacharel em Direito, professor universitário e escritor.



Neste mês de agosto o Senado Federal deve dar o veredito definitivo de afastamento de Dilma Rousseff da presidência da República.

Na prática (e de direito nos termos constitucionais até aqui) ela já está fora do poder.

E não se vislumbra por nenhum ângulo que se analise a situação, a possibilidade de sua volta ao poder. Legalmente depende da votação do Senado.

Esta, os indicativos são fortes, será pela deposição legal e espera-se que os senadores saibam cumprir aquilo que 80% - se hoje não for mais- da população deseja: mandar Dilma para casa.

Um simples exercício de imaginação, dolorido por sinal, de se pensar numa (isola) volta da incompetente gestora ao Planalto, revela sua inviabilidade.

Desde o afastamento provisório (em maio) até hoje, os fatos revelaram, mais e mais, que além de ter de fato contrariado a Constituição nos casos denunciados no processo de impeachment, a ex-presidente praticou atos políticos, de gestão e de eleição, irregulares, mentirosos e, na melhor das hipóteses, reveladores de sua inépcia para o exercício da presidência.

Muito já se pode falar da absoluta incapacidade gerencial do PT, mais acentuada quando o escândalo de como o partido assaltou os cofres públicos, em conluio com partidos aliados e empreiteiros e banqueiros corruptos, vieram à tona.

Também a quantidade de gente de má qualidade, denunciada, presa, condenada, esperando julgamento, ligadas ao esquema de poder ou nele diretamente envolvidos, é altamente esclarecedor de como uma volta eventual (isola) do petismo ao poder em nada beneficiará o país, a não ser Lula, Dilma e os hoje notórios petistas que assaltarem de forma descarada a riqueza nacional.

Causa estupor verificar, ainda, que gente em princípio tida como intelectual inteligente, consiga de público buscar defender o que se transformou no epíteto de “projeto criminoso de poder” do PT.

Os argumentos de golpe, de reação da burguesia, de busca de acabar com programas sociais, são tão fora da realidade e absurdas que de novo asseveram: o petismo continua mentindo para a massa ignorante que neles votou na esperança de convencê-los de sua falsa realidade.

É triste isso. Não tão triste como ver, por exemplo, o ex-ministro Paulo Bernardo ser transformado em réu por corrupção, tirar dinheiro de velhinhos aposentados, e sua esposa, a senadora Gleisi, posar de vestal e legítima defensora do interesse público, quando defende o seu e o do marido acobertados por Dilma e pelo petismo enquanto a sociedade nada sabia de como o petismo roubava nas sombras.

O conjunto da obra dos petistas, de Lula, de Dilma e todos no seu entorno, além dos cooptados, corrompidos e corruptores, tentam desesperados, como sempre fizeram, tirar credibilidade de quem os pegou com a mão no cofre do país. 

Contam para isso com ajuda de dentro do STF que, entretanto, aos olhos do país, não poderá forçar mais do que já fez e arriscar-se a levar o Brasil a uma profunda comoção civil, se ficar por aí, caso busque impor a volta do lulopetismo.

O episódio do “Bessias” entrará para a História do país como um dos mais melancólicos, medíocres e ilegais atos já cometidos por alguém no exercício do cargo mais importante do país. Coadjuvado (ou tutelado) por Lula para tentar safar-se de uma prisão que continua iminente. 

Sem aprofundar nos aspectos técnicos, é preciso que se tenha em mente a realidade do país e sua maioria. Dilma não pode nem pensar em voltar.

Sua prepotência, arrogância, inabilidade, ajudam a deixar claro que, com muita coisa ainda a ser feita e corrigida no Brasil, começando pelo governo de seu sucessor e vice eleito com ela na mesma chapa, o petismo como conhecemos nos últimos 13 anos, tem que ser e está sendo descartado do comando da vida nacional.

Chamada:

Ex-presidente do PT, Ex-Chefe da Casa Civil de Lula José Dirceu: preso! 

Ex-presidente do PT e ex-deputado federal do PT, José Genoíno: preso!

Ex-tesoureiro do PT, Delubio Soares: preso!

Ex-tesoureiro do PT, João Vaccari: preso!

Ex-Secretario do PT, Silvio Land Rover: cumpriu pena!

Lula, Dilma, e adjacentes e familiares: o futuro a Moro e ao STF pertence.

Ex-Ministro da Justiça e ex-deputado federal, José Eduardo Cardoso: pagando o maior mico da vida junto com os defensores de Dilma na Comissão do Impeachment. Vão perder os mandatos nas urnas.

**********

As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio