Opinião

Tragédia brasileira


Ninguém se mexe para nada que é construtivo. Só para interesse próprio


  Por Paulo Saab 31 de Janeiro de 2018 às 10:50

  | Jornalista, Bacharel em Direito, professor universitário e escritor.


Dengue

Chikungunya

Zica

Febre amarela

Violência urbana

Violência rural

Falta de hospitais, médicos e leitos.

Falta de estradas em boas condições

Falta de cabotagem marítima

Falta de ferrovias

Má qualidade do ensino

Falta de política de educação

Falta de política de segurança pública

Excesso de privilégios e “direitos adquiridos”

Falta de transporte urbano de qualidade e suficiente

Gigantismo da máquina pública

Excesso de mordomias e vantagens aos agentes públicos

Filas nos postos de saúde, ambulatórios e pronto-socorro públicos.

Desmatamento

Desabastecimento de água

Infraestrutura insuficiente

Corrupção endêmica

A lista é infinita e serve para mostrar, aqui, de forma apenas figurativa, como o Estado brasileiro voltou-se, desde sua origem, para si mesmo e descolou-se da tarefa de servir ao povo para servir a si próprio.

Com um Estado tutelando a sociedade em vez de por ela ser tutelado, como é no Brasil, e, ainda, como desgraça pouca é bobagem e os governos que dirigem esse Estado se encarregaram da tarefa de corromper os costumes, a administração pública e intensificaram o processo de fazer das coisas do Estado (res pública) coisas particulares, chegamos, numa fórmula ainda não esgotada em seus ingredientes, na verdadeira tragédia que é o Brasil podre de hoje em dia.

E o país fica discutindo a figura hoje horrenda de um ex-presidente ladravaz, a nomeação de deputada sem aparente decoro para ministra, enquanto não se fala de políticas públicas, de projetos de resgate e construção do mínimo apontado acima.

Pesquisam-se nomes para a presidência e não se fala em construção nacional.

Tudo no Brasil de agora cheira mediocridade.

Interesse escuso.

Quem vai tirar o país desse buraco?  Nenhum salvador da pátria a não ser a educação maciça de seu povo, num grande projeto nacional suprapartidário de Educação.

Falo disso há anos. Quanto mais falo, mais pioramos.

Ninguém se mexe para nada que é construtivo. Só para interesse próprio. Da elite corrupta dirigente ao cidadão comum que reclama de tudo e de todos e não sai do sofá.

É uma tragédia nacional.

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio