Opinião

Surge um novo Rio


O Rio de Janeiro é viável, bastaria uma trégua na demagogia e nas divisões por motivos ideológicos


  Por Aristóteles Drummond 08 de Novembro de 2017 às 14:38

  | Jornalista


Um sopro de esperança para o Rio surgiu com um Fórum de iniciativa da Fecomercio e da revista Exame, no Hotel Hilton. Foram mais de 200 empreendedores, gestores, ouvindo o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, e debatendo os temas, depois, sob a coordenação do professor Istvan Kasznar, da Fundação Getulio Vargas.

Curioso é que, após a situação crítica da segurança pública, como freio nos investimentos – e que exige uma reação imediata –, os projetos mais importantes para alavancar a retomada do crescimento são antigos, e dependem apenas de retoques.

Um deles, e já na pauta do BNDES, é a criação de uma Zona de Processamento de Exportações (ZPE), em Itaguaí, aproveitando o Arco Metropolitano e o Porto de Sepetiba, que esteve para sair no governo Sarney, articulado pelo então ministro José Hugo Castelo Branco.

A melhoria da Via Dutra, como determinante na maior integração Rio-São Paulo, é outra necessidade a ser pensada.

Nas vocações naturais da capital, com mão de obra de alto nível, a criação de um centro financeiro internacional ganha força. E este tem como base o Rio-Dólar, formulado pelo professor Theophilo de Azeredo Santos e defendido por Roberto Campos.

O Rio já vem se destacando ao sediar algumas das mais importantes empresas de assets do país. No entanto, é preciso mais para recuperar a perda da Bolsa de Valores, da carteira de câmbio do Banco do Brasil e da direção dos maiores bancos. Nos restou as maiores seguradoras, como Bradesco e Sul América.

O esforço para terminar o complexo petroquímico Comperj, em Itaboraí, é fundamental, por estar parcialmente feito. O turismo deve ter, já para o próximo ano, como anunciou o presidente do BNDES, um calendário de eventos suficiente para sustentar o setor, que sofre com a baixa ocupação de sua moderna rede hoteleira. 

Portanto, um olhar desses sobre a cidade e o Estado anima, quando o clima tem sido de pessimismo, parcialmente provocado por interesses políticos menores.

Todo esse quadro de homens e mulheres competentes, preparados, uma tradição histórica da cidade como símbolo maior do Brasil, faz aumentar a responsabilidade do cidadão-eleitor. Afinal, é consenso que a classe política atual não está à altura da crise.

O Rio é viável, bastaria uma trégua na demagogia, nas divisões por motivos ideológicos e a união de todos. Aliás, só tivemos ganhos recentes quando União, Estado e município, com apoio da sociedade, se uniram em projetos do porte da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

 

*As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio