Opinião

Receita para vencer a crise


Estão reunidas, em dezenas de livros, artigos e discursos de Roberto Campos, as medidas simples e baratas para um país falido sair rápido do buraco


  Por Aristóteles Drummond 14 de Outubro de 2015 às 10:33

  | Jornalista


Estão disponíveis, espalhados em dezenas de livros, os artigos e discursos de Roberto Campos sobre como pensava o Brasil.

Suas teorias tinham uma vantagem sobre a dos demais, pois, quando foi o todo poderoso no governo Castelo Branco, mudou o Brasil com o FGTS, o BNH, a correção monetária, a criação do Banco Central e a reforma administrativa pelo Decreto-Lei 200.

Ali estão reunidas as medidas simples e baratas para um país falido sair rápido do buraco. Basta coragem política, vontade e, claro, patriotismo.

Ninguém duvida, nem este governo, que o Estado-empresário faliu. Logo, é hora de vender ativos e não apenas fatias. Inclusive por inexistir investidor que queira ser sócio minoritário do Estado, que é mau gestor, quando não passível de abrigar corruptos.

Precisamos implantar logo Zonas de Processamento de Exportações (ZPEs), que, para começar, poderia ser em Manaus, onde está a Zona Franca, e uma outra na fronteira oeste, com saída para o Pacífico, cujas estradas precisam ser tocadas.

Também colocar em prática o chamado Rio-dólar, ideia de Theophilo de Azeredo Santos que Roberto encampou, gerando empregos de alta qualificação na cidade. E, dada a nossa incrível carga fiscal, abrir nosso comércio para o sistema Tax Free, pois o nosso turista nada compra aqui pelos preços elevados.

Existe em toda a Europa, portanto, basta chamar duas ou três empresas e vencer resistências corporativas da Receita, assim como salvar a Medida Provisória do repatriamento, baixando para 10% para que surta algum efeito.

Tudo depende de uma canetada. Precisa-se acabar com as falsas empresas privadas que, na verdade, são controladas por estatais e focos de bondades aos poderosos, inclusive de estados. A CVM deve saber e silencia não se sabe bem por qual motivo.

Para salvar nossas empresas encalacradas, muitas e importantes, com o endividamento em dólar, é necessário abrir uma linha de crédito no Banco do Brasil para que recomprem seus papéis pelos valores cotados, que andam em torno de 50% do valor de face.

Por fim, há de se apostar na simplificação fiscal, com menos impostos e mais contribuintes. Fórmula parecida com a proposta feita por Roberto Campos e  pelo deputado Luís Roberto Ponte com base no projeto do imposto único do então deputado Flávio Rocha. Simples, não é?