Opinião

Posição Facesp/ACSP - Preparar-se para o futuro


É importante traçar uma estratégia de atuação para que o Brasil possa retomar a trajetória de crescimento econômico e desenvolvimento social


  Por Alencar Burti 15 de Abril de 2016 às 12:38

  | Presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp)


PREPARAR-SE PARA O FUTURO

A crise institucional, política, ética, econômica e social paralisa os investimentos, faz a economia regredir e, principalmente, aumenta de forma acelerada o desemprego.

Esse cenário mostra a urgência de se restabelecer a governabilidade e criar condições para adoção de um programa gradativo de ajustes e mudanças, mas baseado em um projeto de médio prazo.

Os desdobramentos de operações como a Lava Jato têm, no curto prazo, impacto sobre a economia. E são extremamente salutares para o futuro do País.

Reiteramos o apoio das Associações Comerciais (ACs) à condução dos trabalhos que o Judiciário, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a Receita têm realizado.

Para as ACs, a solução da crise política é fundamental para que o Brasil retorne à normalidade institucional. Por isso, há muito tempo conclamam os governantes e políticos para que encontrem rapidamente caminhos para superar a crise.

Mas as ações adotadas por eles implicam sempre em enfrentamentos e postergação das decisões, como se o tempo não fosse relevante.

A demora para soluções agrava as dificuldades das empresas e da população, com reflexos, inclusive na receita fiscal.

Quando as ACs sugeriram a renúncia à presidente da República, não se tratava de julgar seu governo, mas, sim, de considerar que seria o caminho mais rápido para o retorno da governabilidade.

Ao constatar a inviabilidade da renúncia, as entidades passaram a defender o impeachment, também considerando a urgência de se abreviar ao mínimo possível a deterioração continuada da crise, embora entendendo que o prazo necessário para conclusão de um processo dessa natureza seja muito longo se considerarmos a desestruturação econômica e social que se aprofunda.

Estamos cientes de que a aprovação do impeachment não representa a solução para os problemas nacionais, mas apenas uma condição necessária - nas atuais circunstâncias - para o início de um indispensável processo de correção de rumos.

Por isso, no momento, a ação das Associações Comerciais, dos empresários e dos cidadãos, precisa ser focada em assegurar que o Congresso Nacional aprove o impeachment, atuando junto aos parlamentares de suas cidades e regiões, mostrando que o voto de cada um será lembrado no futuro.

Mas isso não é suficiente. Também precisamos apoiar o novo governo, para que ele possa formar uma coalizão com base nos interesses do País - e não de grupos ou partidos.

E que seja lastreado em propostas e programas efetivos para superar a crise.

Sabemos das dificuldades e sacrifícios que os governantes irão enfrentar, mas precisamos advertir que o caminho do aumento de impostos é absolutamente inconveniente, pois o grande crescimento da dívida fiscal mostra que as empresas e os cidadãos não estão sequer conseguindo pagar os tributos atuais, devido às reduções do lucro e do faturamento das empresas e à queda da renda da população.

Não podemos deixar de analisar por que chegamos à situação atual e o que podemos - e devemos - fazer para evitar a repetição de cenário semelhante no futuro.

Precisamos avaliar até que ponto as entidades de representação empresarial se omitiram em relação a questões que aparentemente não afetavam os negócios, mas que se refletiam nas instituições.

Aceitamos, sem protestar, medidas econômicas inconsistentes e incoerentes, muitas vezes favorecendo setores ou grupos, mas prejudicando o funcionamento da economia. 

Mais do que o “mea culpa” pela omissão, é importante traçar uma estratégia de atuação que contribua para evitar que crises como essa se repitam no futuro, e para que o Brasil possa retomar a trajetória de crescimento econômico e desenvolvimento social compatível com suas necessidades e possibilidades.

Vamos nos espelhar na história das Associações Comerciais, para, com base no passado, atuarmos firmemente no presente e construirmos o futuro com o qual sonhamos.