Opinião

Petismo é golpismo


O aprimoramento da Nação só se dá por um amplo projeto educacional. E, dentro dele, não há espaço para o oportunismo petista


  Por Paulo Saab 30 de Setembro de 2015 às 14:00

  | Jornalista, Bacharel em Direito, professor universitário e escritor.



Estou mais do que nunca convencido de que o país não vai conseguir dar um passo adiante no caminho de seu desenvolvimento pleno se não houver a disposição e a ação das forças políticas e da sociedade como um todo em torno de um grande projeto nacional pela educação.

Tanto no que diz respeito à alfabetização consolidada como quanto à questão da educação como fator civilizatório, civilidade, urbanidade, participação, discernimento e transmissão de conhecimento.

O fundamental nisso tudo, todavia, é dar às pessoas a capacidade de entender, criticar julgar, tirá-las do obscurantismo e prepara-las para seu próprio desenvolvimento intelectual.

A consequência de uma formação educacional, cultural, de maior envergadura para a massa brasileira é o automático aprimoramento das instituições representativas da vontade do país, o desenvolvimento das pessoas e, por consequência, do Brasil, pela evolução do conhecimento, da pesquisa, da crítica, da sabedoria.

Só quem não vê isso, não quer isso, são os políticos atuais, muitos sem formação adequada e que têm na manipulação da ignorância da massa seu meio de chegada e tentativa-de perpetuação no poder.

O primeiro passo, dada a urgência do momento, é sair da crise criada pelo lulopetismo, exacerbada pela incompetência e corrupção crescente no governo Dilma. Tirar o país da UTI em que foi enviado pelos governantes dos últimos doze anos e nove meses antes que o país vire caso terminal.

Não seremos nunca uma Argentina, uma Venezuela, um Equador. A reação do povo pensante brasileiro surgiu a tempo de impedir que Lula e asseclas consolidassem no Brasil um socialismo tão subdesenvolvido quanto suas mentes autoritárias e retrogradas.

Saindo disso, e haveremos de sair de um modo ou de outro, sejam lá quais forem, precisamos acordar para a necessidade urgente de um plano nacional de educação, suprapartidário, com objetivos, metas e prazos a serem alcançados. Uma mobilização de todo o país.

Sem isso, viveremos na gangorra do melhora-piora de sempre.

Ainda mais com a mentalidade fora da realidade e o desejo dos petistas de dominarem o Brasil. Dominaram, mas não deu tempo de dar o golpe de mudar as instituições de dentro para fora.

Reage Brasil.

A verdadeira revolução tem que ser a da educação.

Petismo, isso sim, é golpismo. Por querer ter a hegemonia do pensamento do país e seu controle totalitário. Pior, via assalto aos cofres públicos para enriquecer o partido e seus membros da “nomenklatura”.

DEZ POR CENTO

O IBOPE diz que 69% da população brasileira rejeita Dilma. Dez por cento a apoiam. Que governo pode subsistir com esse apoio pífio e – podem pesquisar - de gente que vive do dinheiro público?