Opinião

Impactos da pandemia no direito de família


Como manter a convivência compartilhada em tempos de isolamento social? A dificuldade econômica enfrentada pelo País, pode afetar o valor devido a título de pensão alimentícia?


  Por Elisa Junqueira Figueiredo 31 de Maio de 2020 às 08:38

  | sócia fundadora do FF Advogados, responsável pela área de direito privado


*com Marjorie Braga Helvadjian, advogada especialista em Contencioso cível e imobiliário

 

A Constituição Federal confere às crianças e aos adolescentes tratamento prioritário para a efetivação dos direitos inerentes à vida, educação, convivência comunitária, dignidade, alimentação, lazer e saúde. Além disso, dispõe ainda que os responsáveis devem zelar pelos cuidados e bem-estar dos menores.

Ambos são princípios essenciais que norteiam o Direito de Família, para que decisões judiciais sempre priorizem o interesse da criança ou do adolescente. Contudo, a decretação da pandemia e as recomendações de isolamento apresentadas pela Organização Mundial da Saúde geraram inúmeras mudanças de hábitos no convívio social, impactando as relações familiares.

Diante disso, o Poder Judiciário se vê obrigado a interpretar referidos princípios à luz da crise pandêmica, para que seja possível solucionar as adversidades que surgiram e surgem como resultado da covid-19.

Dentre elas, encontram-se as seguintes questões: como dividir as responsabilidades parentais durante a quarenta? Como manter a convivência compartilhada em tempos de isolamento social? E a dificuldade econômica enfrentada pelo País, pode afetar o valor devido a título de pensão alimentícia?

Não há normas jurídicas específicas com relação ao atual momento. Todavia, já existem decisões judiciais suspendendo ou ajustando a convivência compartilhada, temporariamente, em situações que há risco de contágio dos envolvidos com o leva e traz de uma casa para a outra.

Muitas das decisões, inclusive, ressaltam que, caso suspensa a convivência compartilhada, os guardiões poderão permitir o contato da criança/adolescente virtualmente, preservando-se a relação afetiva com aqueles que não podem estar presentes. Além disso, genitores que estejam expostos ao vírus frequentemente, como os profissionais da saúde, podem vir a ter, de forma temporária, restrição ao direito de convivência com o filho comum.

Com relação à pensão alimentícia, o Poder Judiciário tem decidido com a mesma cautela. Não há dúvidas de que a crise pandêmica tem impactado o estado econômico do País, ou seja, é possível que o provedor de alimentos tenha sua renda reduzida, se não perdida por completo.

A fixação da pensão alimentícia deve sempre observar a possibilidade econômica de quem paga e a necessidade de quem pleiteia, razão pela qual, nesta hipótese, seria justificável a reavaliação do valor, o que tem sido verificado pelo Poder Judiciário, a depender do caso concreto. No entanto, a perda da capacidade financeira não pode ser presumida e a readequação da pensão alimentícia não poderá ser automática, devendo o Poder Judiciário analisar caso a caso.

Ressalta-se que o Projeto Lei nº 1179/20, pendente de apreciação pelo Senado Federal, prevê que até 30/10/2020, a prisão civil por dívida alimentícia deverá ser cumprida exclusivamente sob a modalidade domiciliar, a fim de se evitar o contágio dentro do estabelecimento prisional.

Existe um receio de que mesmo com o abrandamento da situação financeira ruim do devedor, a inadimplência permaneça, prejudicando aquele que depende da obrigação alimentar. Todavia, referidas providências são medidas transitórias emergenciais adotadas para preservar a sociedade durante a pandemia.

Diante desse cenário, ante ao impacto direto da pandemia no Direito de Família, é certo que a solidariedade e o bom senso devem ser os principais fundamentos a serem utilizados em todas as pretensões e decisões, buscando, sempre, a solução amigável e a preservação das relações e laços familiares.

 

IMAGEM: 





Publicidade





Publicidade





Publicidade