Opinião

Freio de arrumação da pandemia


O isolamento, o trabalho em casa, o desemprego, as crianças sem aula e todas as dificuldades surgidas com a pandemia alteraram o nosso modelo de vida


  Por Roberto Mateus Ordine 04 de Novembro de 2020 às 19:00

  | Advogado e vice-presidente da ACSP e Facesp


"Freio de arrumação" era a expressão utilizada pelos motoristas para acomodar os passageiros no veículo lotado. A pandemia da covid-19 é o freio de arrumação de agora para a arrumação da humanidade.

Menos importa saber a origem do "coronavirus ", mas, sim, saber os efeitos que esse vírus gerou e continuará causando nos próximos anos. Trata-se de um vírus mutante como tantos outros. Só que neste caso, ele mudou a vida da humanidade.  

As mortes causadas não têm preço para as famílias que perderam seus entes queridos e o número de infectados pelo mundo nos obrigam a respeitar as regras impostas pelas autoridades.

O outro lado da freada também merece a nossa reflexão. O isolamento, o trabalho em casa, o desemprego, as crianças sem aula e todas as dificuldades surgidas com a pandemia alteraram o modelo de vida da sociedade.

Em primeiro lugar obrigou-nos a refletir sobre o caminho que até então era trilhado pela civilização moderna.

O tempo faltava para todos os compromissos assumidos. O trânsito era insuportável deixando todos irritados e o trabalho tornava-se estressante.

A humanidade caminhava para um modo de vida frio e materialista, tornando-a ruim.

O isolamento também mostrou o quanto a família é importante para nós. O convívio mais próximo com os filhos e cônjuges despertou outro foco, para a vida simples no lar, lembrando os nossos antepassados com menos necessidades e hábitos menos consumistas.

A quarentena despertou a solidariedade fraterna e o desejo de ajudar os menos favorecidos pela sorte. Assistimos grupos se formando para ajudar com alimentos e produtos de higiene os mais necessitados. Foi bonito de se ver.

Mas, agora chegou outra realidade que a sociedade precisa enfrentar. Não basta só doar. É preciso mais. São mais de três milhões de desempregados só no Estado de São Paulo.

A economia, ainda que promissora, vai levar algum tempo para absorver um grande número de empregados. E até lá, como fica?

A hora é para se "ajudar a pescar" e o Sebrae-SP, ACSP e outras entidades estão se unindo. "Empreenda já", este é o título do programa desenvolvido pelo Sebrae e compartilhado com nossa ACSP e outros para gerarmos renda e trabalho.

Quantas profissões e atividades poderão ser resgatadas e oferecidas para esses desempregados empreenderem já com a capacitação e ajuda de toda a sociedade.

É essa a nossa preocupação:  ajudar milhões de pessoas a se integrar no mercado de trabalho sem depender do emprego.

Pois é! É isso o que já estamos fazendo, desenvolvendo um programa de capacitação empreendedora para microempreendedores individuais, com o objetivo de ajudá-los ingressarem no mercado de trabalho.

Muito em breve implantaremos alguns desses projetos pilotos e precisamos da ajuda de todas as pessoas de boa vontade para incluir essa quantidade de trabalhadores desempregados no mercado, para que possam sustentar sua família com dignidade sem depender de ajuda dos outros e menos do governo.

Que a covid-19 possa servir pelo menos para despertar em todos nós o verdadeiro espírito de fraternidade, ajudando as pessoas menos favorecidas a gerar renda e trabalho para si e sua família.

 





Publicidade





Publicidade





Publicidade