Opinião

FHC acima de todos


O ex-presidente pode não ser nenhum santo. Mas é uma referência entre os ex-presidentes na postura e compostura


  Por Aristóteles Drummond 13 de Abril de 2016 às 10:38

  | Jornalista


Lúcido e atento observador da cena brasileira, não tem se furtado a participar de entrevistas, palestras e artigos em jornais. Não se omite e empresta seu bom senso e experiência ao acalorado debate nacional.

Nesta fase da vida brasileira, em que a sociedade está mobilizada para virar triste página de mau uso da função pública e da impunidade crônica, não é justo que, no jogo duro dos embates, se assaque contra figuras respeitadas e que nem de longe podem ser comparadas às envolvidas em malfeitos e casos pessoais de explicações pouco críveis.

Por isso, uma matéria em revista semanal sobre negócios, modestos pelas quantias citadas, da família do ex-presidente, sem nenhuma base de que se trataria de transações escusas, colabora para baixar o nível de uma campanha que deveria unir os bons.

Pouco antes, foram divulgadas informações sobre recursos da mãe de outro político de destaque, viúva de um homem reconhecidamente rico.

Outros foram citados em depoimentos não confirmados ou contribuições legais confundidas com recursos não declarados à Justiça Eleitoral. Isso tudo, enquanto casos concretos de vícios em campanhas dormem nas gavetas do Judiciário, sem julgar governantes já indiciados.

É preciso um ordenamento nas ações policiais, judiciais e no que é publicado na mídia. Com a mais ampla liberdade sempre, mas com responsabilidade. As redes sociais estão repletas de textos fantasiosos, quando não grosseiros, divulgados por todos os lados envolvidos nesta crise sem precedentes.

E se dar prazo para investigações  em curso , que não podem ser relegadas ao esquecimento. Caberia ao Congresso fazer aprovar a criação de grupos de trabalho no Judiciário para acelerar, em caráter excepcional, os processos relativos a corrupção.

Nada justifica a falta de educação, de respeito à verdade, o palavreado chulo, a tentativa de enganar a população diante de fatos inquestionáveis.

O Brasil tem de sair desta fase melhor em todos os sentidos, sem perder de vista que o mais importante, e urgente, é retomar o desenvolvimento, com políticas modernas de atração de investimentos e de estímulo à poupança.

A crise maior é aquela que a hostilidade ao empreendedor bloqueia a recuperação econômica. O agronegócio, o menos atingido até agora pela crise, vive o cerco de ameaças e de atos de violência à margem da lei.

Faz lembrar o Brasil intranquilo nos anos 60 com as Ligas Camponeses e os denominados “grupos dos onze”. Quem viveu a historia sabe. 

Temos de impor um comportamento de primeiro mundo, de democracia madura, de atores dignos do momento grave que vivemos.

A corda anda muito esticada.

Mas seja qual for o resultado do impeachment pelos menos a ordem será respeitada. Quem viver verá.

****

As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio