Opinião

Escolas ruins ajudam a explicar saída da Ford e outras multinacionais do Brasil


A baixa qualidade de nossa educação básica reflete diretamente na produtividade de nossa mão de obra e na pouca inovação tecnológica produzida dentro do país


  Por Michel Abdo Alaby 05 de Maio de 2021 às 16:09

  | Consultor de Comércio Exterior da Associação Comercial de São Paulo


Como parte de uma reestruturação de suas operações em escala mundial, a Ford anunciou, agora em 2021, depois de 102 anos de presença no Brasil, o encerramento das atividades em nosso país, com o fechamento de sua fábrica em Camaçari, na Bahia.

Lamentavelmente, a partida da montadora norte-americana não foi um caso único. Outras empresas multinacionais, especialmente do setor industrial, anunciaram a retirada total ou parcial de operações do Brasil, alegando reestruturação global de operações, ou mesmo o cenário há tempos ruim do mercado brasileiro, piorado pela pandemia: Seguiram a Ford Mercedes Benz, Nike, Nikon, LG, Eli Lilly e outras.

A covid-19 sem dúvida é uma tragédia econômica, além de humana. Mas ela também pode ter sido, para a decisão dessas empresas, a gota d’água. Comparado a outros países, o Brasil pode ser considerado sistematicamente hostil ao investimento produtivo devido a fatores como infraestrutura precária, difícil acesso a crédito, insegurança jurídica, corrupção e um verdadeiro manicômio tributário. Mas todas essas desvantagens eram parcialmente compensadas por sermos um mercado grande, com muito potencial para crescimento, e reconheçamos, alguns picos de crescimento que ocorreram em certos momentos. O que justificava elas irem levando, como se diz.

Mas, se essas empresas aguentaram tudo isso por tanto tempo, e a covid-19 atingiu todas as economias do planeta simultaneamente, haveria algum outro “vilão” que tenha colocado as fábricas instaladas no Brasil como candidatas a serem fechadas em processos de reestruturação global, eliminando empregos diretos e indiretos?

Em nossa opinião, sim! A baixa qualidade de nossa educação básica, que reflete diretamente na produtividade de nossa mão de obra e na pouca inovação tecnológica produzida dentro do Brasil. Esse é um fator que diminui, para as empresas com fábricas em vários lugares do mundo, o valor relativo para suas operações globais de plantas industriais.

Há muitos anos as plantas industriais localizadas no Brasil são apenas um local para a montagem de tecnologias desenvolvidas em outros lugares, agregando valor às operações globais dessas empresas apenas pelas vantagens logísticas de já estarem dentro do nosso território e próximas do nosso mercado consumidor, não sendo altamente produtivas ou contribuindo em pesquisa e desenvolvimento.

A partir do momento em que o nosso mercado se torna menos comprador, como acontece agora, na pandemia, as fábricas instaladas no Brasil se tornam as primeiras da fila das candidatas a serem fechadas em processos de reestruturação global.

De acordo com o ranking anual publicado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), elaborado em parceria com a Universidade de Cornell e o Instituto Europeu de Administração de Empresas (Insead), o Brasil está em 62º lugar, dentre 131 países, no Índice Geral de Inovação. É muito pouco para um país com uma economia do tamanho da do Brasil.

“É necessário investir mais em educação” se tornou uma daquelas obviedades afirmadas como se fossem grandes revelações, quando se discute os rumos do nosso país, especialmente em períodos eleitorais. Mas, o que foi feito a partir dessa constatação do óbvio?

A resposta fácil, e errada, seria dizer que nada foi feito, nos colocando na posição de pedra, contra uma vidraça que é um alvo fácil. O problema é que algo foi de fato feito. O investimento em educação atingiu o equivalente a 5% do PIB brasileiro. Ainda estamos abaixo da média per capita dos países da OCDE, mas mesmo assim é um valor considerável. O que nos inspira a buscar explicações para termos resultados ainda tão abaixo do necessário, mesmo para um investimento cujo retorno se mede em gerações, não meses ou anos.

Ainda temos muitos jovens que saem de nosso sistema educacional, especialmente o público, sem serem capazes de entender, ou redigir, um texto de média complexidade, ou de realizar as 4 operações matemáticas básicas, o que justifica a pergunta: O que estamos fazendo de errado? O que precisamos fazer de diferente?

No “mercado das ideias” existem muitas explicações sobre a qualidade ruim da educação brasileira. Muitas delas, narrativas com forte viés ideológico, cuja discussão produz muito calor e pouca luz, sendo improdutivas.

Nossa sugestão é simplesmente olhar para os que tiveram sucesso na missão de educar, e ter a humildade de imitar o que eles fizeram, como por exemplo, a Coréia do Sul, China, Japão e outras economias asiáticas de ascensão mais recente. Mesmo sendo povos e culturas diferentes entre si, todas compartilham a característica de a educação das crianças ser vista como uma missão da família, e a carreira de professor do primeiro e segundo graus, muito valorizada.

Sim, precisamos remunerar melhor os profissionais de educação. Mas, ao mesmo tempo, precisamos investir na preparação deles, para que possam cumprir com êxito a missão de ensinar nossas crianças. Não simplesmente despejar dinheiro, mas investir com inteligência e estratégia em educação básica.

Enquanto tentarmos fazer diferente disso, “investir em educação” será apenas um discurso bonito. E a contribuição brasileira para a inovação tecnológica será eterna tentativa de reinventar a roda.

 

IMAGEM: Pixabay






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade