Opinião

Dilma apequenou o Brasil


Ela está deixando para a história uma indelével marca de primeira mulher eleita presidente que não se mostrou à altura da grandeza da missão


  Por Paulo Saab 03 de Maio de 2016 às 11:40

  | Jornalista, Bacharel em Direito, professor universitário e escritor.



A sensação que dá é a de que Dilma não tem a mínima noção do que significa ser presidente da República num país onde as instituições democráticas são efetivas e o império da força da lei se sobrepõe ao da lei da força.

Eleita na onda do prestígio que então Lula detinha (não havia ainda sido descoberto nas falcatruas) e reeleita por conta de mentiras e jogadas sujas, além de dinheiro escuso desviado da Petrobrás (para vencer a eleição faço o diabo, disse então) Dilma, a exemplo de seu criador, realizou em sua mente que o país passava a lhe pertencer.

E como dona do país, braço de um partido político, e não presidente de todos os brasileiros revelou em pouco tempo o estelionato eleitoral de 2014 e sua absurda incompetência que levou o país à destruição de sua indústria, volta da inflação, desemprego galopante e uma crise moral, política, de valores, sem precedentes.

Isso subiu tão forte à cabeça da governanta que ela perdeu a noção das coisas.

Aliás, já tinha lá seus problemas. Quando exigiu ser chamada de “presidenta”, pensei comigo: isso não vai dar boa coisa.

De presidente eleita está se tornando a inimiga número um da Nação.

Nem a malvada favorita, jocosamente, pode ser tamanha é a falta de respeito para com os brasileiros e o próprio país, com que tem agido ao mentir despudoradamente – mais uma vez- esgoelando que é golpe o que não é, tentando comprometer a imagem do país no exterior, e lançando mão de atos incabíveis de governo para transformar a gestão de Temer que vem aí, após seu (dela) impeachment em uma tormenta, como disse.

Mais antibrasileira impossível. Parece o menino dono da bola que ao não ser escalado no time da rua pega a bola e vai embora.

Sem falar que comete crimes de responsabilidade e lesa-pátria pelos quais deverá também responder, além do envolvimento na Lava-jato que virá ainda mais à tona.

E o repentino silêncio de Lula?

E por que Mercadante sumiu do noticiário e não é denunciado se foi porta-voz de Dilma para tentar atrapalhar a Lava-Jato?

Dilma está deixando para a história uma indelével marca de primeira mulher eleita presidente que não se mostrou à altura da grandeza da missão. Apequenou o governo, a si mesma, e pior de tudo, o Brasil.

*******

As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio